Pular para o conteúdo principal

Polícia do PR reprime protesto de professores. Cadê Emmanuel?


A estranha Curitiba da terrível medida da pintura padronizada nos ônibus imposta a troco de uns BRTs superlotados e motoristas divididos entre a condução e a cobrança de passagens, dos feminicidas que matam namoradas na rua durante o dia, que impulsiona a cafonice dos ratinhos e dos chitões e xororós que se acham possuidores de "alta cultura", a Curitiba que quer ser progressista mas sofre com tamanhos retrocessos enfrenta mais um problema sério.

Pois nos últimos dias a polícia do governador do Paraná, Beto Richa, e seu secretário de Segurança Pública, Fernando Francischini, conhecido por sua truculência, reprimiu uma manifestação pacífica de professores em greve que apenas pediam melhores condições de trabalho e aumento salarial.

Foram cem feridos, além de muitos detidos, sem falar das bombas de efeito moral e outros meios de intimidar quem estivesse na frente. Parecia que Curitiba ainda vivia sob a ditadura militar, e isso faz sentido: Beto Richa é filho do falecido José Richa, político de Londrina que chegou a Curitiba sob o apadrinhamento político de Jaime Lerner, filhote da ditadura tido como "arquiteto progressista".

A repressão policial anda repercutindo de forma negativa e revela mais uma vez a crise que o Brasil vive e que o "movimento espírita" não previu nem consegue admitir. Até porque a própria religião vive uma séria crise acumulada pelos defeitos e erros desenvolvidos ao longo de 131 anos.

Para o "movimento espírita", se os professores têm salários baixos que mal conseguem fazer pagar as contas e dar qualidade de vida para si e suas famílias, e ainda por cima sofrem uma degradante rotina de trabalho, quando precisam trabalhar para receber apenas um pouco mais do que o pouco que recebem, a recomendação é apenas o "silêncio da prece", a "resignação" e a "abnegação".

E é justamente quando surgem boatos sobre o aparecimento do "Emmanuel reencarnado", atribuindo a um Guilherme Romano que, com toda a segurança, nega tal condição (até porque o sereno Guilherme não tem a índole severa do rígido e temperamental Emmanuel), é que surge esse terrível incidente justamente contra a classe comprometida com a Educação.

Para piorar, os próprios policiais foram ordenados a agir assim, sob pena de serem presos por desacato às autoridades. A polícia simplesmente tinha que agir batendo em professores e atirando bombas de efeito moral, as ordens vem do próprio governo do Paraná.

O Brasil vive uma crise de valores que vem das elites que controlam o poder político, o poder midiático e outras esferas de poder ou de processos que vão desde as decisões de caráter tecnocrático até às personalidades tidas como formadoras de opinião e de gosto popular.

A ação ultraconservadora de Beto Richa mostra essa crise de valores e como as elites reacionárias encontram mecanismos para chegarem ou se mantiverem no poder, e quando são ameaçados nos seus interesses e abusos, reagem de forma violenta e intolerante.

Isso mostra o quanto o buraco está mais embaixo no Brasil e que os sonhos de uma boa parcela de "espíritas" em ver o país comandando a comunidade das nações praticamente foi por água abaixo. Sabemos que dizer isso criaria, nos chorosos "espíritas", verdadeira enchente lacrimosa, mas é melhor que se tenha consciência da realidade ruim do que acreditar em fantasias. É admitindo que tudo está errado que se cria coragem para encarar um problema e, talvez, resolvê-lo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

Anti-esquerdismo "espírita" vai contra proposta da caridade

O "Espiritismo" brasileiro é cheio de contradições, graças a sua recusa em raciocinar e analisar tudo que chega aos seu redor. Abraçou a fé cega e a bondade estereotipada e se limita a fazer caridade paliativa, aquela que serve de mera compensação para que os necessitados se mantenham em suas condições humilhantes. 
Agora, os "espíritas" (de Chico Xavier) e os espíritas (de Allan Kardec) encanaram de aderir ao sádico ódio fascista anti-esquerda. Criminalizaram os movimentos sociais, a personalidades de esquerda e glorificaram o excludente Capitalismo, se baseando na tolice da meritocracia e descartando de uma vez por todas a acridade mencionada por Allan Kardec, um socialista, em suas obras.
Só o direitismo assumido pelo "Espiritismo" brasileiro jé envolve um festival de contradições que poderão implodir a doutrina no Brasil, que já é muito fraca em outros países. Ela entra em violento choque com a finalidade original da doutrina, que é a caridade, além …

Ódio anti-petista de Robson Pinheiro pode ter orientação de espíritos de senhores de engenho e adeptos do Fascismo

O "Espiritismo" sempre foi conhecido como a religião da razão e do amor. Mas Robson Pinheiro que mudar isso. Para ele o "Espiritismo" passa a ser a doutrina da barbárie e do ódio. Incapaz de negociar com aqueles que não se afinam com suas convicções políticas elitistas, Pinheiro se une aos neo-pentecostais e derrama a sua gosmenta baba de raiva contra a esquerda, ignorando os verdadeiros responsáveis pela crise, que é mundial e desprezando os bastidores do poder.
Robson é um autêntico analfabeto político, pois dá sinais de que não sabe das complexas relações de poder, num perfeito exemplo de pedantismo político. E de acordo com a lei de afinidade (ignorada pelos "espíritas" brasileiros), atrai espíritos de senhores de engenho e de simpatizantes do Fascismo. Pinheiro psicografa um livro "político" demonstrando escancarado desconhecimento sobre o assunto. Ignora fatos que comprovam que a verdadeira quadrilha é justamente os políticos que ele apoi…