Pular para o conteúdo principal

"Espíritas" agora falam em "coerência de conduta"


Diante da crise que vive o "espiritismo" brasileiro, seus líderes agora tentam reagir, desesperados. Em primeira instância, eles tentaram usar a grande mídia para mostrar seus "maravilhosos trabalhos", e a coisa não deu certo.

Depois, eles tentaram provar que estão certos, usando artigos acadêmicos risíveis, feitos com metodologias duvidosas, na tentativa de comprovar "cientificamente" alguns fenômenos absurdos, incluindo atribuir ao fictício André Luiz um pioneirismo científico de até 63 anos (!).

Usaram até mesmo dois militares norte-americanos, que provavelmente nunca conheceram Chico Xavier, para confirmar uma suposta profecia trazida por um sonhozinho de nada. Para piorar, o sonho de Chico Xavier era de 1969 e os episódios narrados pelos militares foram de 1964 e 1967. Portanto, uma previsão "confirmada" por dados passados (?!) e não futuros.

Desesperados com a onda de questionamentos que aparecem nas mídias sociais e na blogosfera, o "movimento espírita" brasileiro está em pânico e seus líderes agora falam em "coerência de conduta", preocupados com o que andam fazendo "alguns maus espíritas".

Eles reclamam que o "espiritismo" está falhando na sua conduta, e que precisa manter um ponto de equilíbrio e coerência doutrinária, mantendo o controle de seus impulsos e o esclarecimento pleno de seus membros e dirigentes.

Dizendo assim, tudo fica bonito, tudo fica maravilhoso. Só que a coerência que os líderes "espíritas" reivindicam, alegando "fidelidade à doutrina de Allan Kardec", também não passa de uma grande e bela conversa para boi dormir.

Isso porque a doutrina que eles pregam, cujos astros são Chico Xavier e Divaldo Franco, é em si marcada pela incoerência, porque o "espiritismo" que esses "coerentes" defendem é na verdade a sua forma já deturpada por ritos e dogmas católicos, há muito desvinculada do pensamento de Allan Kardec.

Que "coerência" de conduta é essa? Simples. A conduta calma, serena, sem conflitos, limitada às diretrizes do que se entende como "espiritismo" no Brasil. Nada de fidelidade a Allan Kardec, tão entusiasmadamente bajulado pelo seu carisma quanto maldosamente desdenhado pelo seu pensamento.

O que os líderes "espíritas" querem é apenas que se mantenha estável e sem conflitos um padrão de doutrina baseado no religiosismo exagerado, numa pseudo-mediunidade irresponsável mas voltada às "palavras de amor" e uma série de ritos e dogmas piegas, moralistas, místicos aos quais todos têm que aceitar e reconhecer seu valor (se é que ele existe).

Isso é que os chefes do "espiritismo" querem. Nada a ver com coerência com Allan Kardec e seu pensamento científico. Tudo a ver com os delírios de Chico Xavier e Divaldo Franco, que foram os que mais contrariaram a coerência espírita que provoca as polêmicas e crises que estão aí.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

Anti-esquerdismo "espírita" vai contra proposta da caridade

O "Espiritismo" brasileiro é cheio de contradições, graças a sua recusa em raciocinar e analisar tudo que chega aos seu redor. Abraçou a fé cega e a bondade estereotipada e se limita a fazer caridade paliativa, aquela que serve de mera compensação para que os necessitados se mantenham em suas condições humilhantes. 
Agora, os "espíritas" (de Chico Xavier) e os espíritas (de Allan Kardec) encanaram de aderir ao sádico ódio fascista anti-esquerda. Criminalizaram os movimentos sociais, a personalidades de esquerda e glorificaram o excludente Capitalismo, se baseando na tolice da meritocracia e descartando de uma vez por todas a acridade mencionada por Allan Kardec, um socialista, em suas obras.
Só o direitismo assumido pelo "Espiritismo" brasileiro jé envolve um festival de contradições que poderão implodir a doutrina no Brasil, que já é muito fraca em outros países. Ela entra em violento choque com a finalidade original da doutrina, que é a caridade, além …

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…