Pular para o conteúdo principal

"Espiritismo" brasileiro é o "Charlie Charlie Challenge" levado a sério

Quando não se estuda seriamente algo, a consequência inevitável é fazer errado. E não raramente tais erros podem causar sérios danos, além de desviar dos objetivos iniciais. Isso nunca é bom e pode causar inúmeros problemas.

Surgiu recentemente um papo conhecido como "Desafio Charlie Charlie" uma variação bem simples da tábua Ouija que consiste em um pedaço de papel com dois lápis colocados em forma de cruz, com quatro partes escritas "sim", "não", "sim" e "não". A meta era chamar um suposto espírito de nome Charly Charlie (o nome é esse, diferente do nome do desafio), que responderia as perguntas girando um dos lápis em direção à resposta escolhida.

É uma brincadeira irresponsável, pois por ser fútil, há uma atração de espíritos ignorantes, gozadores e não raramente mal intencionados. Há relatos de jovens que tiveram danos sérios após fazer a brincadeira.

E o "Espiritismo" brasileiro, o que tem a ver com isso? Em primeira instância, lideranças disseram não aprovar a brincadeira. Mas se esqueceram de olhar para o próprio rabo. O "Espiritismo" brasileiro pode ser considerado uma versão mais antiga e sofisticada do "Desafio Charlie Charlie", pois transformou o contato com espíritos em uma brincadeira, iniciada desde que transformaram a doutrina em uma igreja de dogmas e santos.

A Doutrina Espírita foi totalmente deturpada, com muitos pontos alterados e até invertidos. Apesar e bajulado constantemente, Allan Kardec é solenemente ignorado e o seu trabalho sério de estudo acabou virando piada para leigos, já que os brasileiros preferiram inserir um monte de bobagens na tentativa de priorizar a religiosidade intrusa, sobretudo a Católica, verdadeira crença das lideranças que falam no Brasil em nome do "Espiritismo".

E aí vem muitas comunicações falsas, seja por terem vindo de espíritos de índole e identidade duvidosas, seja de médiuns farsantes que escrevem mensagens padronizadas tipicamente de igreja, enganando fiéis ansiosos por uma comunicação vinda do mundo dos mortos. E todas as mensagens com conteúdo que destoa completamente da verdadeira Doutrina Espírita, oscilando entre uma versão retrógrada do catolicismo e tolas novidades místicas.

E para piorar, esses irresponsáveis ganham sério prestígio de sábios, fazendo com que essa brincadeira de Ouija pareça mediunidade seria e responsável, causando danos em quem acredita nessas personalidades, infelizmente tachadas de "espíritos superiores".

E não venham os "espíritas" de fachada pedir respeito porque o que está sendo dito aqui nada tem de ofensivo. Os "espíritas" brasileiros não souberam respeitar a doutrina e vivem falando bobagens em nome dela através de virulentas palestras que ensinam tudo errado, pois sã feitas por quem não teve a disposição de estudar Kardec a sério, usando o nome do codificador apenas para promoção pessoal.

Triste dizer isso, mas o que os brasileiros conhecem como "Espiritismo" não é muto diferente desse "Desafio Charlie Charlie" e o resultado comprova: a versão deturpada da doutrina não conseguiu em 130 anos transformar a sociedade como um todo para melhor (permanecendo estagnada na mesma inércia intelectual de sempre), preferindo transformar a comunicação com os mortos em uma piada sem graça, fugindo completamente da proposta original.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

Anti-esquerdismo "espírita" vai contra proposta da caridade

O "Espiritismo" brasileiro é cheio de contradições, graças a sua recusa em raciocinar e analisar tudo que chega aos seu redor. Abraçou a fé cega e a bondade estereotipada e se limita a fazer caridade paliativa, aquela que serve de mera compensação para que os necessitados se mantenham em suas condições humilhantes. 
Agora, os "espíritas" (de Chico Xavier) e os espíritas (de Allan Kardec) encanaram de aderir ao sádico ódio fascista anti-esquerda. Criminalizaram os movimentos sociais, a personalidades de esquerda e glorificaram o excludente Capitalismo, se baseando na tolice da meritocracia e descartando de uma vez por todas a acridade mencionada por Allan Kardec, um socialista, em suas obras.
Só o direitismo assumido pelo "Espiritismo" brasileiro jé envolve um festival de contradições que poderão implodir a doutrina no Brasil, que já é muito fraca em outros países. Ela entra em violento choque com a finalidade original da doutrina, que é a caridade, além …

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…