Pular para o conteúdo principal

A tropa de choque do "Espiritismo" brasileiro

Fóruns espíritas tem cometido a sensatez de tentar devolver o Espiritismo as suas características originais. Isso tem incomodado muitos seguidores da forma deturpada que ao entrar nesses fóruns veem seus mitos serem devidamente desmascarados. E sabemos que religiosos estão entre as pessoas mais teimosas do mundo, sempre se recusando a analisar quando são questionados, preferindo defender com uma certa agressividade, os absurdos em que acreditam.

A FEB, grande responsável pela deturpação do Espiritismo, detesta Kardec, não segue suas orientações, mas usa o nome do pesquisador francês para se promover e para impedir os fiéis de fazerem uma pesquisa séria sobre Espiritismo, transformando o mesmo em uma seita igrejista como tantas outras. 

E a famosa instituição, que infelizmente responde em nome do Espiritismo brasileiro, lucra muito com a deturpação, que tem atraído muita gente em prol da solução fácil de seus problemas (que obviamente só são resolvidos de forma paliativa, para criar dependência). Para garantir a permanência desses lucros (que, do contrário que os seguidores de deturpação pensam, NÃO vão para a caridade), é importante - para eles - manter a deturpação, impedindo o acesso de seus seguidores a um estudo aprofundado sobre a doutrina.

Não faltam iniciativas como, não estimular o estudo do francês (com o foco desviado para o inútil e complicado Esperanto), tachar o críticos da deturpação de "obsidiados", enviar mensagens estranhas falsamente assinadas por Kardec e outras atitudes que impedem que os devotos de Bezerra, Xavier e Divaldo conheçam o pensamento de Allan Kardec e dos espíritos que participaram da codificação.

Todo o trabalho de desmoralização dos verdadeiros espíritas é feito, fazendo acreditar que quem não segue os "bondosos" conselhos dos deturpadores está sendo "manobrado por forças malignas", criando uma espécie de antagonismo (senão ódio) entre os seguidores da deturpação e os verdadeiros espíritas. Até mesmo estimular para que os deturpadores se assumam publicamente como "espíritas" é uma medida feita para calar a boca dos verdadeiros espíritas, que acabarão confundidos com aqueles que estão dispostos a fazer da doutrina uma igreja sem raciocínio.

Mas o que tem mesmo acontecido é tentar mobilizar os novos deturpadores para contra-atacar, escrevendo textos de maneira dinâmica (deturpadores gostam de escrever muito) e inventando teses pseudo-científicas que tentam validar os absurdos em que acreditam.

Há textos rebuscados e prolixos que tentam provar que o Emanuel da codificação era o mesmo que obsediou Chico Xavier (fato comprovadamente falso). Há livros que tentam dizer que Chico Xavier foi a reencarnação de Kardec (infelizmente defendido por muitos, mas que vai totalmente contra as orientações da codificação, já que Xavier tinha graves divergências com Kardec), além de muitos outros absurdos presentes em textos que se pretendem ser científicos, mas não passam de puro desfile de palavras mortas.

Também são mobilizados alguns fiéis para que invadam fóruns de Espiritismo para tentar inserir suas crenças usando palavras de paz, amor e caridade, mas que são desmascarador por moderadores que os expulsam sem dó, exigindo a fidelidade dogmática que tanto desagrada a FEB e a seus fiéis.

Essa batalha ainda vai continuar, pois os nomes da deturpação gozam de um prestígio ainda inabalável. Mesmo que a coerência e a verdade estejam do lado dos verdadeiros espíritas, como o Espiritismo é visto como uma religião qualquer, tão irracional como as outras, seus defensores, embora falem em nome da "razão" , não vão querer pensar muito, sendo para eles muito mais interessante estimular a bondade frouxa que infla corações, mas esvazia cérebros. 

Ainda vamos aguentar por muito tempo os "profetas da deturpação espírita". Até quando, não sei. Mas pelo "andar da carruagem", vai demorar muito.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

Anti-esquerdismo "espírita" vai contra proposta da caridade

O "Espiritismo" brasileiro é cheio de contradições, graças a sua recusa em raciocinar e analisar tudo que chega aos seu redor. Abraçou a fé cega e a bondade estereotipada e se limita a fazer caridade paliativa, aquela que serve de mera compensação para que os necessitados se mantenham em suas condições humilhantes. 
Agora, os "espíritas" (de Chico Xavier) e os espíritas (de Allan Kardec) encanaram de aderir ao sádico ódio fascista anti-esquerda. Criminalizaram os movimentos sociais, a personalidades de esquerda e glorificaram o excludente Capitalismo, se baseando na tolice da meritocracia e descartando de uma vez por todas a acridade mencionada por Allan Kardec, um socialista, em suas obras.
Só o direitismo assumido pelo "Espiritismo" brasileiro jé envolve um festival de contradições que poderão implodir a doutrina no Brasil, que já é muito fraca em outros países. Ela entra em violento choque com a finalidade original da doutrina, que é a caridade, além …

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…