Pular para o conteúdo principal

Dois pesos, duas medidas: "espíritas" são poupados pelos mesmos erros do qual neo-pentecostais são criticados

Chove nas redes sociais um verdadeiro dilúvio de críticas aos chamados evangélicos neo-pentecostais pelo seu materialismo, sua ganância e falsidade. Infelizmente isso é verdade, mas desde que homem é homem, já se mente e rouba em nome de divindades.

Mas parece que os neo-pentecostais estão servindo de bodes expiatórios de muita falcatrua, roubalheira e frades que vemos também em outras crenças, pois nunca esqueçamos que as religiões foram criadas todas pelos homens (Deus, se existisse, iria criar algo ara se auto-louvar? Isso é arrogância, um defeito! Isso iria contra a suposta perfeição divina!) com intenções de fazer com que multidões sejam submetidas para lhes fazer às vontades. Acho que até vou criar a minha religião, para obter popularidade e riqueza. Ainda estou pensando nisso.

Mas uma seita bastante poupada não somente dessas críticas, mas de qualquer tipo de reprovação, é esse samba do crioulo doido conhecido no Brasil como "Espiritismo". Não se ouve nem se lê nenhuma crítica a essa versão fajuta da doutrina, que necessita de fraudes para que dogmas absurdos sejam aceitos e lideranças sejam mito bem remuneradas.

"Espiritas" discretos

O "Espiritismo" brasileiro é altamente corrupto e mentiroso. A sua caridade alegada é escassa e inócua. Lideranças que afirmam fazer caridade se limita a caridade paliativa que qualquer ONG já faz e que só serve mesmo para que as pessoas possam conviver com os problemas que NUNCA são resolvidos. Uma confortável água com açúcar feita para deixar tudo como está e dar prestígio de "filantropos máximos" às lideranças "espíritas".

Ouvimos esse papo também entre os pentecostais. As lideranças pentecostais também posam de grandes filantropos com status de divindades vivas. Mas as pessoas criaram uma coragem de criticar os pentecostais talvez por modismo, sei lá. Ou porque essas lideranças não sabem ser discretas como são os "espíritas" na hora de mentir e roubar.

Os "espíritas" são muito discretos em suas falcatruas. Não a ponto de verossimilhança, pois uma observação atenta e despida de qualquer sentimento de fé, percebe quando essas lideranças cometem as suas picaretagens. Como exemplo, visite os centros espíritas e percebam que donos de centros normalmente ostentam boa vida. Vão dizer que é "agradecimento dos espíritos pela caridade praticada". Mas certamente espíritos superiores não trabalham com matéria. Se espíritos favorecem sucesso material, com certeza são muito inferiores, na infância da espiritualidade.

O povo quer bobagens

Erros são muitos cometidos pelos "espiritas" brasileiros. Indispostos a estudar Allan Kardec, preferem levar adiante todos os absurdos resultantes dessa falta de estudo. Ao invés de terem a humildade de corrigir suas falhas, referem levá-las adiante pois sabem que igrejismo bobo atrai muito mais gente. E muito mais dinheiro também, como se vê nos ingressos de filmes e vendas de livros e de discos de palestras e musicas "espíritas", que na verdade são aquelas mesmas musicas românticas que qualquer um ouve por aí.

 As delirantes palestras de Divaldo Franco arrastam multidões para que todas saiam do mesmo jeito que entraram:sem entender bulhufas sobre o verdadeiro Espiritismo, confundido por eles como uma espécie de "Manual da paz, do amor e da esperança". Papalvos, como diria o sério José Herculano Pires.

Do outro lado, veja as palestras realmente científicas e gente séria e comprometida com o verdadeiro Kardecismo, como por exemplo as feitas pelo grande amigo Sérgio Aleixo (alheio a essa papagaiada chiquista) e verão pouquíssima gente na plateia.

E porque poupar "espíritas" se eles cometem exatamente os mesmos erros dos pentecostais. Porque não possuem TV? Não possuem porque boa parte dos fieis da igreja "espírita" são da elite e pegaria mal cancelar aqueeeela viagem a Paris e o caviar santo de cada dia em troca de uma "Rede Record espírita", que certamente não será nada diferente da dos pentecostais.

Pra caridade? Que caridade?

E o dinheiro? Quanto dinheiro circula no "Espiritismo" brasileiro... É para caridade? Caridade de quem? Se a caridade justificada por esse "Espiritismo" de araque fosse realmente feita, teríamos feito uma revolução social, acabando com a pobreza o país. Mas é engodo, a mesma caridade paliativa feita por católicos e protestantes. Um calmantezinho para aguentar a vida.

Fora que muito dinheiro é desviado. Segundo denúncia do saudoso José Manoel Barboza, meu guru espiritual, muitas entidades superfaturaram o dinheiro, pedindo, por exemplo, auxílio para 100.000 pessoas para ajudar apenas a 1000. Mau caratismo da "doutrina d amor".

O próprio Chico Xavier, o Deus absoluto e inquestionável da papalvada deu o "maór" apoio a fraudes, chegando a posar sorridente ao lado de fraudados, assinando embaixo o festival de gazes e panos que era mostrado como se fosse "ectoplasma". O que os "espíritas" catolizados chamam de "milagre" (ué, para o Espiritismo milagres não existem!), eu chamo de cara de pau!

Vamos ser coerentes: se é para criticar pentecostais, critiquemos também os "espíritas". Mas se não quiser criticar qualquer um deles, também não critique o outro. Ambos são crenças ficcionais que lançam mão de procedimentos desonestos para preserva a ignorância que faz com que a sociedade fique exatamente como está, mantendo problemas e injustiças que beneficiam todos aqueles que estão no poder. Principalmente os que fincam seus pés no poder supostamente divinal, sejam pentecostais, sejam "espíritas" ou de que crença for.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

Anti-esquerdismo "espírita" vai contra proposta da caridade

O "Espiritismo" brasileiro é cheio de contradições, graças a sua recusa em raciocinar e analisar tudo que chega aos seu redor. Abraçou a fé cega e a bondade estereotipada e se limita a fazer caridade paliativa, aquela que serve de mera compensação para que os necessitados se mantenham em suas condições humilhantes. 
Agora, os "espíritas" (de Chico Xavier) e os espíritas (de Allan Kardec) encanaram de aderir ao sádico ódio fascista anti-esquerda. Criminalizaram os movimentos sociais, a personalidades de esquerda e glorificaram o excludente Capitalismo, se baseando na tolice da meritocracia e descartando de uma vez por todas a acridade mencionada por Allan Kardec, um socialista, em suas obras.
Só o direitismo assumido pelo "Espiritismo" brasileiro jé envolve um festival de contradições que poderão implodir a doutrina no Brasil, que já é muito fraca em outros países. Ela entra em violento choque com a finalidade original da doutrina, que é a caridade, além …

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…