Pular para o conteúdo principal

A caridade segundo os pseudo-espíritas

Quando Allan Kardec havia feito da caridade um lema, tinha a intenção de criar um projeto que estimulasse grandes transformações sociais e humanitárias. Que mudasse o mundo mesmo. Mas aí uma horda de papalvos mudou tudo e essa transformação foi totalmente cancelada. Ficou tudo do jeito que estava e continua ficando, sem previsão de qualquer tipo de mudança.

A caridade defendida pelo "Espiritismo" brasileiro é a mais inócua possível. Grandes lideranças cheias de recursos e de prestigio, que poderiam alavancar grades mudanças, acabando sem deixar um grão todos os problemas da sociedade, se limitam a fazer caridadezinha frouxa, daquela que eu e você poderíamos fazer quase sem recursos. Pior que essas lideranças acham que estão mudando o mundo sem mudar coisa nenhuma.

Instituições "espíritas" como a Mansão do Caminho (mansão? pelo visual tenebroso mais parece uma Prisão do Caminho!), fazendo mais do mesmo, as mesmas coisas que muitas ONGs já fazem, sem estimular qualquer ipo de transformação mental de seus auxiliados, que saem dessas instituições para serem mais uns bois para andar no gado da sociedade brasileira. Sem transformações que possam melhor a sociedade com um todo.

A caridade defendida pelo "Espiritismo" brasileiro é a caridade estereotipada já vista nas outras religiões. Sem essa de que o "Espiritismo" brasileiro oferece um diferencial. Se oferecesse, sairiam das instituições "espíritas" verdadeiros rebeldes: cientistas, intelectuais, lideres questionadores quer rejeitam a obediência cega a sistemas falidos e suas lideranças gananciosas, corruptas e autorizarias. se oferecessem diferencial, essas instituições formariam verdadeiros guerrilheiros do altruísmo, gene que na mede esforços paraver a sociedade ser feliz como um todo, sem vestígio do menor problema.

Mas como isso não acontece, como nessas instituições só saem carneirinhos obedientes que no máximo vão saber sobreviver em uma sociedade cheia de erros, lamentamos ter que dizer que a caridade dos "espíritas" brasileiros é muito pouca em relação ao que eles prometem.

São apenas calmantes, copinhos de água açucarada a fazer com que os pobres coitados suportem as dores que o sistema não permite eliminar. Esqueçam as transformações sociais. Se elas são mencionadas pelas lideranças desse "Espiritismo" de araque, é coisa apenas da imaginação delas.

Até porque para estas lideranças, é bom que tudo continue na mesma. Para que as pessoas, ao invés de resolver seus problemas, se escondam em centros "espíritas" para fugir deles e garantir altos lucros para as lideranças que fingem fazer caridade oferecendo copinho de água doce às multidões incautas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

Anti-esquerdismo "espírita" vai contra proposta da caridade

O "Espiritismo" brasileiro é cheio de contradições, graças a sua recusa em raciocinar e analisar tudo que chega aos seu redor. Abraçou a fé cega e a bondade estereotipada e se limita a fazer caridade paliativa, aquela que serve de mera compensação para que os necessitados se mantenham em suas condições humilhantes. 
Agora, os "espíritas" (de Chico Xavier) e os espíritas (de Allan Kardec) encanaram de aderir ao sádico ódio fascista anti-esquerda. Criminalizaram os movimentos sociais, a personalidades de esquerda e glorificaram o excludente Capitalismo, se baseando na tolice da meritocracia e descartando de uma vez por todas a acridade mencionada por Allan Kardec, um socialista, em suas obras.
Só o direitismo assumido pelo "Espiritismo" brasileiro jé envolve um festival de contradições que poderão implodir a doutrina no Brasil, que já é muito fraca em outros países. Ela entra em violento choque com a finalidade original da doutrina, que é a caridade, além …

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…