Pular para o conteúdo principal

Chico Xavier é Deus?

Os brasileiros que pensam que são "espíritas" não somente não entenderam a doutrina, como também cultuam mestres que também não entenderam, mas insistem em divulgar absurdos que contradizem e renegam muitos pontos.

Para os brasileiros, Allan Kardec, o codificador, virou apenas um rótulo a aprovar os absurdos que se apresentam como dogmas na versão brasileira transformada em Igreja considerada "Espírita".

O maior mestre da doutrina, para os brasileiros é Chico Xavier, um caipira católico que nunca estudou Espiritismo e divulgou como integrante da doutrina tudo aquilo que ele pessoalmente acreditava, oriundo de sua fé católica e de pontos de vista puramente pessoais. Pergunte a qualquer um, meso leigo, sobre Espiritismo e a primeira coisa que virá a cabeça de qualquer um é a imagem do caipira de óculos escuro e peruca. Allan Kardec? Nada disso! Kardec virou o lacaio de Xavier.

Mas Chico Xavier cresceu demais na Igreja Espírita. Virou um gigante inabalável, graças ao esforço da FEB em transformá-lo em divindade. Sim divindade. Uma monstruosa divindade.

Biografias foram escritas (antes da oficial, de Marcel Souto Maior, muito mais realista e um tanto iconoclasta) para tentar inserir no médium superpoderes para provar sua condição divinal. Xavier voava, flutuava, estava em vários lugares ao mesmo tempo, viajava a mundos espirituais e ainda era tido como uma das maiores autoridades do universo. Sim, foi o que você leu. Do universo.

E isso não para por aí. Uma pesquisa feita anos atrás entre "espíritas" sobre a personalidade mais influente, Chico Xavier aparece em primeiro lugar, acima ate de Jesus, que os espíritos sérios consideraram o  espírito mais evoluído que esteve na face da Terra. Jesus, que Xavier pensava que não conhecia o Brasil e que Divaldo disse que tinha olhos azuis, mesmo nascendo no Oriente Médio.

O mito de Xavier impulsionou uma onda de fanatismo cego. Temendo - no subconsciente, pois ninguém assume isso de fato - ser Xavier a reencarnação do próprio Deus (se Xavier estava acima de Jesus...), muitas pessoas reagem deforma incômoda e até odiosa a qualquer crítica feita ao médium.

Mesmo os que combatem os exageros da FEB, preferem preservar Xavier, dando o privilegio único de não responder pelos seus erros, cuja responsabilidade é atribuída a terceiros. Na contramão, permite-se que Xavier responda pelos acertos que NÃO cometeu. Para muitos, é importante atribuir o caráter de perfeição a Xavier, como se este fosse infalível e incapaz de cometer qualquer tipo de erro.

O mito de Xavier cresce a cada dia, mesmo com seu falecimento - que foi muito estranho, usado para unir dois fanatismos, o religioso e o futebolístico - fazendo com que o médium fosse cada vez mais divinizado, muito mais do que um semi-deus, confundido às vezes com o próprio Deus, a largar a administração do universo para vir a um planetinha insignificante e atrasado.

Eliminando esse lindo conto de fadas que diviniza Xavier, ofato é que o médium foi na verdade um ingênuo manipulado no início, mas que pegou  gosto pelo poder dado a ele, que o fez ter popularidade e influência.

Xavier com certeza já reencarnou e irá pagar por muita dívidas que contraiu ao difundir erros, enganando multidões imensas na intenção de se consagrar como"maior profeta do mundo moderno", dando uma imensa contribuição para que tudo de errado fique como está no cotidiano dos brasileiros.

Com absoluta certeza, Chico Xavier não é Deus. Não chega perto nem de um milionésimo disso. E se Deus existisse, estaria muito magoado com Xavier por todo charlatanismo feito para tentar validar a sua incompreensão doutrinária, pois de fato, o médium sempre foi um católico que morreu sem entender a doutrina, após enganar a todos, ao fingir ser o seu maior representante.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

Anti-esquerdismo "espírita" vai contra proposta da caridade

O "Espiritismo" brasileiro é cheio de contradições, graças a sua recusa em raciocinar e analisar tudo que chega aos seu redor. Abraçou a fé cega e a bondade estereotipada e se limita a fazer caridade paliativa, aquela que serve de mera compensação para que os necessitados se mantenham em suas condições humilhantes. 
Agora, os "espíritas" (de Chico Xavier) e os espíritas (de Allan Kardec) encanaram de aderir ao sádico ódio fascista anti-esquerda. Criminalizaram os movimentos sociais, a personalidades de esquerda e glorificaram o excludente Capitalismo, se baseando na tolice da meritocracia e descartando de uma vez por todas a acridade mencionada por Allan Kardec, um socialista, em suas obras.
Só o direitismo assumido pelo "Espiritismo" brasileiro jé envolve um festival de contradições que poderão implodir a doutrina no Brasil, que já é muito fraca em outros países. Ela entra em violento choque com a finalidade original da doutrina, que é a caridade, além …

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…