Pular para o conteúdo principal

Carnaval e os espíritos

Diz uma letrinha que "Atrás do Trio Elétrico só não vai quem já morreu". Mentira. Quem morreu é que mais vai, em número maior ainda. Os espíritos de foliões que ainda não se desmaterializaram por completo nunca abandonam os festejos, ainda mais que, sem os corpos, há necessidade de "vampirizar" encarnados para satisfazer seus desejos materialistas.

Esqueçamos o catastrofismo dos espiritólicos. Não usemos o moralismo arcaico para definir o Carnaval como ruim. Ele é ruim por causa do materialismo das pessoas e da imaturidade que transforma qualquer futilidade em "necessidade". Somado a isso tudo, todo o interesse financeiro de quem se aproveita da ingenuidade alheia para faturar muito. Afinal, no Carnaval o lucro é sempre garantido, pois os trouxas sempre arrumam dinheiro para gastar com besteira.

O Carnaval deveria ser uma festa de alegria e não é. A maioria vai por um misto de obrigação social e satisfação dos instintos. É uma festa da "carne", embora o fato dos festejos ter esse nome por causa da expressão "Carnevale" seja meramente lendária, sem fundamento. A satisfação dos instintos se torna uma ordem irrecusável.

No Carnaval, o homem vira bicho. Irresponsável, foca toda a sua atenção para a satisfação dos instintos. O fato de que é somente nesta época que as mulheres facilitam a conquista amorosa (no resto do ano as mulheres entenderam que dificultar a vida afetiva lhes traz dignidade - um absurdo!), deixa os homens descontrolados, dispostos a abrir mão de qualquer tipo de bom senso para satisfazer o que o famoso órgão que despeja líquidos (vocês sabem do que eu estou falando) exige numa hora como esta. O cérebro e o coração entram de férias afinal. E dá-lhe instintos aflorados, retomando a origem animal.

E seguindo a lei de atração, uma festa materialista nunca poderia atrair "santos". Embora muitos acreditem que estejam "abençoados" por alguma entidade de confiança, não há sintonia adequada para atração de espíritos superiores, que preferem ambientes mais tranquilos e de maior reflexão. Não pense que me refiro a retiros espirituais de religiões. É outro tipo de carnaval, onde a embriaguez é de outro tipo , só que menos instintiva mas ainda não racional.

Já foi provado que o Carnaval deixa o país com maior energia inferior em relação ao resto do ano. E isso nada tem de místico pois a lei de atração diz que espíritos procuram ambientes onde possam satisfazer seus interesses pessoais. Achar que no Carnaval vai imperar a razão e o amor é o mesmo que esterilizar um ambiente despejando uma lata de lixo. Não dá.

Para quem curte a folia, curta, mas procure ser um pouquinho mais racional. Se puder não beber, seria bom. Álcool diminui a atenção e o discernimento. Não somente os desencarnados mas os encarnados (leia-se bandidos, pessoas de má índole e exploradores de todo tipo) se aproveitam da alienação alheia para fazer suas traquinagens e se beneficiar com o prejuízo alheio.

Para quem não curte, também evite a cilada das religiões. É melhor fazer uma viagem para um lugar mais tranquilo, um vale de belezas naturais (o Brasil tem muitos lugares do tipo), de belas paisagens e nenhuma festa. Aí sim, vai achar a companhia agradável de bons espíritos dispostos a dar bons conselhos e livrar seus afins da influência de espíritos mal intencionados que amam os festejos materialistas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

Anti-esquerdismo "espírita" vai contra proposta da caridade

O "Espiritismo" brasileiro é cheio de contradições, graças a sua recusa em raciocinar e analisar tudo que chega aos seu redor. Abraçou a fé cega e a bondade estereotipada e se limita a fazer caridade paliativa, aquela que serve de mera compensação para que os necessitados se mantenham em suas condições humilhantes. 
Agora, os "espíritas" (de Chico Xavier) e os espíritas (de Allan Kardec) encanaram de aderir ao sádico ódio fascista anti-esquerda. Criminalizaram os movimentos sociais, a personalidades de esquerda e glorificaram o excludente Capitalismo, se baseando na tolice da meritocracia e descartando de uma vez por todas a acridade mencionada por Allan Kardec, um socialista, em suas obras.
Só o direitismo assumido pelo "Espiritismo" brasileiro jé envolve um festival de contradições que poderão implodir a doutrina no Brasil, que já é muito fraca em outros países. Ela entra em violento choque com a finalidade original da doutrina, que é a caridade, além …

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…