Pular para o conteúdo principal

Ateus brasileiros defendem Chico Xavier. Por que será?

Que Francisco Cândido Xavier tem seus fanáticos que não suportam ler uma vírgula contra o anti-médium mineiro, é compreensível sua existência.

O que se estranha é a quantidade de ateus que saem em defesa fanática a Chico Xavier, algo que escapa de qualquer lógica.

Nas mídias sociais, páginas ateias de vez em quando lançam textos e memes questionando as atividades, a trajetória e as ideias do anti-médium de Pedro Leopoldo e Uberaba.

Mas o dado aberrante está nas respostas neuróticas que os internautas fazem, incomodados com as críticas contra o "médium", não se sabe por que cargas d'água.

Afinal, Chico Xavier sempre foi um religioso, um beato católico, adorador de imagens, rezador de terços, e que seu maior princípio é a crença convicta na existência em Deus. É, portanto, a última pessoa com que um ateu poderia cogitar em admirar. Faria mais sentido um ateu ser apaixonado pela cantora gospel Aline Barros, pelo menos a beleza dela justificava.

A coisa se complica quando vemos que um ateu como o falecido jornalista inglês Christopher Hitchens se empenhou em desvendar um mito religioso semelhante ao de Chico Xavier, a Madre Teresa de Calcutá, e descobriu irregularidades a respeito das atividades e ideias da "filantropa" albanesa que atuou na Índia.

Aqui, é estranha a blindagem de ateus em torno de Chico Xavier, se o "médium" simboliza uma doutrina brasileira como o "movimento espírita" - na prática, um "espiritismo" distante de Allan Kardec - e que comete a maledicência de acusar os ateus de estimularem o suicídio e a revolta pessoal.

Recentemente, o palestrante "espírita" Richard Simonetti, um dos seguidores mais apaixonados de Chico Xavier, descreveu os ateus como "assassinos da esperança" e acusava o ateísmo de estimular o suicídio através da descrença do que o "espírita" acredita ser o Criador.

Os ateus gostam tanto de Chico Xavier, mas a doutrina deste não lhe dá a recíproca. Os ateus são amaldiçoados pelo "movimento espírita", considerados "pessimistas", "rancorosos", "negligentes", "intransigentes" e tudo o mais.

A gente então pergunta se realmente esses ateus que adoram tanto Chico Xavier são realmente ateus. Será que eles se tornaram "ateus" porque gostaram de alguma frase de Richard Dawkins? Ou porque acham que o Christopher Hitchens tinha pinta de roqueiro inglês? Ou será que é uma desculpa para parecer diferente e se destacar nas mídias sociais com alguma qualidade excêntrica?

Esse é um problema que os ateus brasileiros precisam resolver. Fica estranho não acreditar em Deus e acreditar em quem acredita em Deus. Isso não é o mesmo que um ateu respeitar a religião dos outros, mas uma complacência surreal e aberrante a uma figura estranha como Chico Xavier, que até na bondade era bastante duvidoso, explorando de forma sensacionalista as tragédias familiares.

Portanto, não há que ser uma coisa ou outra. Ou os ateus, adorando Chico Xavier, assumem que continuam acreditando naquele "amigão imaginário" chamado Deus, ou aceitem as críticas que se faz ao anti-médium do qual irregularidades diversas são investigadas na Internet, ainda que à revelia da visibilidade midiática.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

Anti-esquerdismo "espírita" vai contra proposta da caridade

O "Espiritismo" brasileiro é cheio de contradições, graças a sua recusa em raciocinar e analisar tudo que chega aos seu redor. Abraçou a fé cega e a bondade estereotipada e se limita a fazer caridade paliativa, aquela que serve de mera compensação para que os necessitados se mantenham em suas condições humilhantes. 
Agora, os "espíritas" (de Chico Xavier) e os espíritas (de Allan Kardec) encanaram de aderir ao sádico ódio fascista anti-esquerda. Criminalizaram os movimentos sociais, a personalidades de esquerda e glorificaram o excludente Capitalismo, se baseando na tolice da meritocracia e descartando de uma vez por todas a acridade mencionada por Allan Kardec, um socialista, em suas obras.
Só o direitismo assumido pelo "Espiritismo" brasileiro jé envolve um festival de contradições que poderão implodir a doutrina no Brasil, que já é muito fraca em outros países. Ela entra em violento choque com a finalidade original da doutrina, que é a caridade, além …

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…