Pular para o conteúdo principal

Mesmo com debates intensos pela internet, fora dela, a versão deturpada ainda resiste

O combate a formas deturpadas do Espiritismo que estragaram a compreensão real da doutrina, é bem atuante nos fóruns pela internet. Mas infelizmente, fora da grande rede de computadores (e ainda dentro dela também), as formas deturpadas seguem ainda bem fortes, cegando os olhos das pessoas para o verdadeiro Espiritismo, colocando no lugar um igrejismo piegas e irracional que serve mais para colocar a doutrina para competir com outras igrejas tradicionais.

A FEB vem tentando, com insistência e imerecido sucesso, expandir seus tentáculos na ânsia de substituir o Espiritismo nesta forma estranha cheia de enxertos de outras crenças fantasiosas, de maioria católica, para lucrar muito financeiramente. Quem pensa que os lucros de todas as obras psicografadas ou não e de zerentos workshops vai para caridade, está muito ma informado.

Mas para garantir estes lucros, é preciso que alguém pague. E nada melhor que crenças ilusórias para estimular lucros financeiros. Vender produtos e estimular "dízimos" e doações financeiras em nome de "retribuição divina", transformou a FEB numa das instituições mais ricas de nosso país e vem enriquecendo não somente ela, mas muitos donos de centros, que não conseguem deixar de ostentar a boa vida que levam.

Conhecer o Espiritismo verdadeiro é muito ruim para a FEB, já que quem lê os livros de Kardec, sobretudo o Livro dos Médiuns (que eu considero o mais revelador - ideal como fonte de desmascaramento dessa farsa), se vacina contra as ilusões difundidas em nome da doutrina.

O combate contra a deturpação ainda é extremamente difícil, pois os inimigos da doutrina não estão nas outras crenças como se pensa e sim diante das mesas brancas das palestras que são feitas sem qualquer tipo de estudo correto. 

Temos que continuar debatendo e encontrando uma forma de eliminar de vez essa farsa que durou mais de 100 anos enganando a multidões que em prol da relaxada fé cega, ainda acreditando em tudo que um palestrante bem vestido é capaz de dizer.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

Anti-esquerdismo "espírita" vai contra proposta da caridade

O "Espiritismo" brasileiro é cheio de contradições, graças a sua recusa em raciocinar e analisar tudo que chega aos seu redor. Abraçou a fé cega e a bondade estereotipada e se limita a fazer caridade paliativa, aquela que serve de mera compensação para que os necessitados se mantenham em suas condições humilhantes. 
Agora, os "espíritas" (de Chico Xavier) e os espíritas (de Allan Kardec) encanaram de aderir ao sádico ódio fascista anti-esquerda. Criminalizaram os movimentos sociais, a personalidades de esquerda e glorificaram o excludente Capitalismo, se baseando na tolice da meritocracia e descartando de uma vez por todas a acridade mencionada por Allan Kardec, um socialista, em suas obras.
Só o direitismo assumido pelo "Espiritismo" brasileiro jé envolve um festival de contradições que poderão implodir a doutrina no Brasil, que já é muito fraca em outros países. Ela entra em violento choque com a finalidade original da doutrina, que é a caridade, além …

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…