Pular para o conteúdo principal

Polêmicas de Silas Malafaia fortalecem mito de Chico Xavier

Silas Malafaia, líder máximo da igreja neo-pentecostal Assembleia de Deus tem conseguido fama nos últimos meses graças a um festival de declarações e atitudes polêmicas que vem repercutindo muito através da internet. Quem não é seu discípulo tratou logo de transformá-lo em vilão do momento.

Mas a religiosidade, ópio preferido da maioria da população, não iria ser deixada de lado só porque uma de suas maiores lideranças deu sinais de desprezo aos direitos humanos em prol da defesa de convicções próprias. Alguém teria que substituir Malafaia na função de pastor de ovelhas humanas.

E quem foi o escolhido? Quem? Quem? O bom velhinho Chico Xavier, aquele do qual - supostamente - não se conhece nenhum traço de erro (agradeçam a FEB) e que muito pensam ser o ser mais evoluído que esteva na Terra. Kardec havia falado de Jesus. Mas Chico Xavier não existia na época da codificação, não é?...

Belo trabalho da FEB em colocar os erros do médium desinformado embaixo do tapete. A memória curta do brasileiro e o desprezo e preguiça a análises aprofundadas favoreceram que todos se esquecessem dos defeitos do "bom velhinho", que por isso mesmo acabou virando o"Anti-Malafaia" fazendo muitos incautos e incultos correrem para os braços do falecido médium para se proteger das grotescas declarações do neo-pentecostal irado. 

Mas esquecem todos que Xavier, o "infalível", o "infinitamente bondoso" e "o ultra avançado da modernidade" tinha grades afinidades ideológicas com Malafaia, sendo tão conservador quanto. Descontadas algumas poucas diferenças, trocar Malafaia por Xavier na verdade seria trocar o 6 pelo meia dúzia.

Xavier era extremamente moralista - no sentido medieval mesmo, pois era católico ferrenho da linha jesuíta - além de demonstrar certo machismo, racismo (estranho; pardo, agia como se fosse branco), glorificava o sofrimento, estimulando o masoquismo e defendeu com convicção a Ditadura Militar no seu triste auge, se referindo aos ditadores como "construtores de um Reino de Amor". Para quem duvida aconselho ver na íntegra a entrevista que o médium deu no programa Pinga Fogo em 1971.

O que significa que Xavier não era assim tao "Anti-Malafaia". Seria melhor as pessoas esquecessem esse negócio de religião e partissem para algo mais racional. A fé cega sempre demonstrou incompetente para resolver os problemas cotidianos e não será trocar um Malafaia por outro mais simpático que irá melhorar a sociedade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

Anti-esquerdismo "espírita" vai contra proposta da caridade

O "Espiritismo" brasileiro é cheio de contradições, graças a sua recusa em raciocinar e analisar tudo que chega aos seu redor. Abraçou a fé cega e a bondade estereotipada e se limita a fazer caridade paliativa, aquela que serve de mera compensação para que os necessitados se mantenham em suas condições humilhantes. 
Agora, os "espíritas" (de Chico Xavier) e os espíritas (de Allan Kardec) encanaram de aderir ao sádico ódio fascista anti-esquerda. Criminalizaram os movimentos sociais, a personalidades de esquerda e glorificaram o excludente Capitalismo, se baseando na tolice da meritocracia e descartando de uma vez por todas a acridade mencionada por Allan Kardec, um socialista, em suas obras.
Só o direitismo assumido pelo "Espiritismo" brasileiro jé envolve um festival de contradições que poderão implodir a doutrina no Brasil, que já é muito fraca em outros países. Ela entra em violento choque com a finalidade original da doutrina, que é a caridade, além …

Ódio anti-petista de Robson Pinheiro pode ter orientação de espíritos de senhores de engenho e adeptos do Fascismo

O "Espiritismo" sempre foi conhecido como a religião da razão e do amor. Mas Robson Pinheiro que mudar isso. Para ele o "Espiritismo" passa a ser a doutrina da barbárie e do ódio. Incapaz de negociar com aqueles que não se afinam com suas convicções políticas elitistas, Pinheiro se une aos neo-pentecostais e derrama a sua gosmenta baba de raiva contra a esquerda, ignorando os verdadeiros responsáveis pela crise, que é mundial e desprezando os bastidores do poder.
Robson é um autêntico analfabeto político, pois dá sinais de que não sabe das complexas relações de poder, num perfeito exemplo de pedantismo político. E de acordo com a lei de afinidade (ignorada pelos "espíritas" brasileiros), atrai espíritos de senhores de engenho e de simpatizantes do Fascismo. Pinheiro psicografa um livro "político" demonstrando escancarado desconhecimento sobre o assunto. Ignora fatos que comprovam que a verdadeira quadrilha é justamente os políticos que ele apoi…