Pular para o conteúdo principal

FEB: Enganar é preciso...


O maior poder de Chico Xavier não era o de conversar com os mortos. Seu maior poder era (e ainda é, mesmo após sua morte) o de seduzir as pessoas por meio de ideias sem pé nem cabeça temperadas por um moralismo doce e uma pieguice melequenta que ajuda muito a travar cérebros.

A FEB, Federação "Espírita" Brasileira, que de "espírita" só tem o nome, surgiu bem antes de Xavier, mas usou o caipira mineiro como sua grande galinha dos ovos de ouro, consagrando o trabalho iniciado por um grupo de dissidentes católicos que acreditavam em reencarnação que, ao invés de criarem uma seita para si mesmos, preferiram pegar a ciência de Allan Kardec, que nada tinha a ver com isso, e misturar tudo, criando uma colcha de retalhos que impede o povo de entender o que se passa nas dimensões físicas e espirituais que ainda não conhecemos. 

E os dirigentes da FEB, espertamente, vivem de forjar mitos para ampliar ainda mais o seu alcance e por consequência, a satisfação de seus interesses. Mente, não por ingenuidade, mas propositalmente, para que seus mitos permaneçam fortes e se tornem convincentes para uma multidão de fanáticos que pensam ser racionais (falar em ciência é essencial - utilizá-la, nunca!: é o que eles defendem), respaldando um festival de teses absurdas.

Os líderes que agem em nome dessa instituição pseudo-espírita sempre se esforçam para manter intactas todas as ilusões e falsos dogmas que erroneamente são conhecidas como integrantes do "Espiritismo" no Brasil. 

Colônias espirituais, tratamentos inócuos, mensagens "sacras" padronizadas atribuídas falsamente a falecidos famosos, médiuns transformados em astros, espíritos de má índole transformados em "mentores", tudo é feito para que muitos absurdos permaneçam no imaginário de seus seguidores, impedindo o desenvolvimento intelectual que possa ser considerado perigoso para líderes de todos os tipos na Terra. Até porque a liderança da FEB se dá muito bem com lideranças políticas, visto o que aconteceu recentemente com a presidente Dilma Rousseff.

E o importante para a FEB é mentir. Mentir sempre. Enganar os outros é muito bom para que seus seguidores possam se tornar cada vez mais passivos, submissos e obedientes. Estimular a inércia ("não critique, não lute, apenas ore") é essencial para que os problemas e injustiças continuem para que os líderes continuem usando tais problemas para se dar bem. Ou vocês acham que haveria o lacrimoso show de distribuição de cestas básicas, que ajuda a lotar centros e ONGs se o mundo fosse mais justo e honesto?

Tenho tomado conhecimento de barbaridades cometidas em nome do "Espiritismo" no Brasil. Coisas de fazer envergonhar até mesmo o mais promiscuo ator de filmes pornôs. Para manter toda a mitologia que falseia o Espiritismo, líderes e ídolos não medem esforços para manter as farsas e chegam a driblar a ética e o bom senso para que seus interesses sejam mantidos. 

Apesar de estigmatizados como "humildes", não possuem a verdadeira humildade para dizer aos seus seguidores que erraram e corrigir informações. Preferem cometer o crime de passar adiante os erros, fortalecendo mentiras que são amplamente divulgadas, colocando na conta de Kardec a tarefa de pagar por esses erros, isentando os ídolos fabricados pela FEB de suas responsabilidades.

É péssimo ver uma instituição, que diante dos holofotes defenda valor estão nobres, lançar mão de mesquinharia e muita desonestidade para atrair mais gente para o seu falso "Espiritismo", atrasando a evolução espiritual da Terra e dificultando o entendimento daquilo que deveria ser estudado pelas ciências (sobretudo física, geologia e biologia), fazendo com que as pessoas tenham uma ideia errada a tudo que não pertence à dimensão em que vivemos.

É bonito falar em paz, amor, caridade e esperança. Ainda mais quando na verdade se recusa a lutar por estas causas. "Faça o que eu digo, não faça o que eu faço" deveria ser o lema da Federação "Espírita" Brasileira. Pois ela e seus ídolos, principalmente a "santíssima trindade" de farsantes: Bezerra-Chico-Divaldo", não servem de bom exemplo para ninguém.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Divaldo Franco não apoia só a Operação Lava Jato. Apoia um Tribunal de Exceção!

As esquerdas se comportam como aquele loser que, só porque a moça mais desejada da escola se dirigiu a ele para dar bom dia, ele acha que ela está apaixonada por ele. Em certos aspectos, chega a sentir fascínio por aqueles que, em verdade, abominam o esquerdismo e só o usam para atender seus interesses por conveniência.
O "funk" e o "espiritismo" são esses exemplos. Os dois são fenômenos blindados pelas Organizações Globo e voltados a perspectivas conservadoras de abordagem social. Apostam na visão paternalista de assistência ao povo pobre, glamourizam a miséria de forma a permitir que as classes pobres vivam razoavelmente sem no entanto romper com sua situação inferiorizada na hierarquia social. Apesar disso, as esquerdas se comportam, em relação a esses dois fenômenos, como aquele loser apaixonado por aquela "mina" que nunca dá bola a ele.
Dessa maneira, os "espíritas" agem também como aquele marido traído - uma espécie de loser que "deu …

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…