Pular para o conteúdo principal

Basta ler as traduções de Herculano Pires para entender melhor Allan Kardec?


É suficiente a leitura dos livros de Allan Kardec, na tradução de José Herculano Pires, para entender melhor a Doutrina Espírita codificada pelo pedagogo francês? Não, não é. Ele é apenas um ponto de partida, um começo de caminhada, que poucas pessoas conseguem entender muito bem.

Para piorar, muitos permanecem "espiritólicos" (nome que damos aos pretensos espíritas devido à sua inclinação ainda igrejista), mesmo quando adquirem os livros kardecianos traduzidos pelo sobrinho de Cornélio Pires. E mesmo a leitura habitual e aparentemente dedicada não é o bastante.

Em primeiro lugar, é muito comum que essas pessoas leiam tais livros como se fossem romances. Leem até o fim, mas não conseguem ter uma compreensão exata das ideias apresentadas pelo pedagogo francês, que José Herculano Pires não só traduziu palavra por palavra, frase por frase, para um português fiel ao sentido das ideias de Kardec como fez várias notas explicativas.

Mas mesmo aqueles que conseguem entender tais ideias e apreciar o raciocínio honesto de Allan Kardec, traduzido com a mesma honestidade por José Herculano Pires, chegam a aceitar, no entanto, práticas, ritos e mitos espiritólicos, porque não basta entender a teoria se não a segue na prática.

Muitos que leem as traduções de Herculano dos livros de Kardec ainda veem como "legítimas" as "mentiunidades", ou melhor, fraudes pseudo-mediúnicas trazidas pelos pseudossábios Chico Xavier e Divaldo Franco, com seus plágios literários e tudo o mais.

Isso porque não adianta ler O Livro dos Médiuns na sua mais honesta tradução e acreditar em mensagens apócrifas que só tem a grafia do "médium" - até mesmo os "insuspeitos" Xavier e Franco - , que só dizem uma mesma mensagem religiosa, sejam psicografia auêntica.

Não é difícil entender por que os ditos "centros espíritas", que sempre transmitem uma "doutrina espírita" catolicizada, com nove de cada dez palestras "espíritas" dedicadas à Família, aceitam receber em suas bibliotecas as traduções de Herculano na bibliografia kardeciana.

Essas traduções chegam a compartilhar prateleiras com os mesmos livros com outros tradutores, como Guillón Ribeiro e outros menores, que sempre "catolicizam" seus textos, do contrário da fidelidade textual do sobrinho do artista caipira.

Isso se deve porque, para a atual fase do "espiritismo", os textos traduzidos por Herculano são um "mal menor". Pretensamente conciliadores, os "espíritas" costumam bajular cientistas e até espíritas sérios, porque o chamado "movimento espírita" é uma doutrina deturpadora, mas é também doutrina de bajuladores, usurpadores e parasitas.

Depois que Jean-Baptiste Roustaing saiu de moda diante de tantas crises na Federação "Espírita" Brasileira, os "espíritas" passaram a fingir que obtém rigorosa fidelidade aos ensinamentos de Allan Kardec, e criam todo um aparato para isso.

Há desde palestrantes com pose de sérios alertando contra os "falsos espíritas" até acadêmicos que, também com pose de sérios, dão legitimidade científica a qualquer bobagem pseudo-mediúnica, como a risível tese de atribuir a André Luiz um pioneirismo científico improcedente.

Muito malabarismo de palavras é feito, para que muitos acreditem que o "espiritismo" catolicizado no Brasil segue rigorosamente as diretrizes de Allan Kardec e estabeleçam um equilíbrio entre ciência, filosofia e fé religiosa, o que na prática não acontece.

Afinal, Kardec via a religião não no sentido das doutrinas dogmáticas que se conhece no Brasil, mas no sentido dos esforços para resolver os dilemas morais dos homens, algo que passa longe do moralismo blasé que os "espíritas" seguem por herança do Catolicismo medieval português.

A conclusão que se faz é que ler os livros traduzidos por José Herculano Pires é muito bom para conhecer as ideias originais de Allan Kardec passadas para um vocabulário em português brasileiro que se mantenha fiel ao pensamento do professor francês.

No entanto, isso é apenas o começo do caminho, o começo da jornada, e entender essas ideias mas aceitar todas as barbaridades que acontece soa como o advogado que conhece todas as leis e permite a impunidade dos bandidos. De que adianta saber o correto se aceita o que se faz de errado?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Divaldo Franco não apoia só a Operação Lava Jato. Apoia um Tribunal de Exceção!

As esquerdas se comportam como aquele loser que, só porque a moça mais desejada da escola se dirigiu a ele para dar bom dia, ele acha que ela está apaixonada por ele. Em certos aspectos, chega a sentir fascínio por aqueles que, em verdade, abominam o esquerdismo e só o usam para atender seus interesses por conveniência.
O "funk" e o "espiritismo" são esses exemplos. Os dois são fenômenos blindados pelas Organizações Globo e voltados a perspectivas conservadoras de abordagem social. Apostam na visão paternalista de assistência ao povo pobre, glamourizam a miséria de forma a permitir que as classes pobres vivam razoavelmente sem no entanto romper com sua situação inferiorizada na hierarquia social. Apesar disso, as esquerdas se comportam, em relação a esses dois fenômenos, como aquele loser apaixonado por aquela "mina" que nunca dá bola a ele.
Dessa maneira, os "espíritas" agem também como aquele marido traído - uma espécie de loser que "deu …

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…