Pular para o conteúdo principal

O "espiritismo" e o cenário político na marcha-a-ré do Brasil

O cenário político brasileiro e o cenário religioso do "movimento espírita" andam de mãos dadas. Observando, acima de tudo, que houve uma retomada ultraconservadora, já na formação do novo Congresso Nacional em 2015 e no projeto financista do ministro da Fazenda de Dilma Rousseff, Joaquim Levy e, mais tarde, as campanhas jurídica (Operação Lava Jato), midiática (jornalismo de guerra) e social (passeatas anti-PT), nota-se uma ânsia voraz, mais do que um apetite, uma gula em levar o Brasil para os padrões coloniais contrariando os avanços dos tempos.

No projeto político, temos o governo de Michel Temer que, nas melhores hipóteses, lembra o governo do general Ernesto Geisel caminhando para trás, não em direção à redemocratização e ao fim da ditadura, mas ao "milagre brasileiro" e ao endurecimento pelo AI-5. Mas seu projeto político, na medida em que incluem projetos que retrocedem os padrões trabalhistas aos tempos da República Velha, como a reforma trabalhista, que trará tanto a precarização do trabalho (as pessoas trabalharão mais e receberão menos salários) quanto a abertura das negociações trabalhistas, dando vantagem às decisões patronais, demonstra o quanto há gente querendo caminhar para trás e de maneira bastante acelerada.

E o que o "espiritismo" brasileiro faz com isso? Nada, a não ser mandar apelos, sempre com suas palavras bonitas, para os sofredores e desafortunados "aguentarem o sofrimento", "nunca reclamarem da vida", "suportarem as piores coisas com fé", "mudar seus desejos e habilidades" e "abrir mão de necessidades". Não bastasse isso, apelam ainda para "perdoar os algozes nos seus abusos e erros gravíssimos".

O que é isso? Isso em nenhum momento lembra Allan Kardec, por mais que os palestrantes "espíritas" brasileiros, que nunca assumem a raiz roustanguista, insistam no vínculo com o professor lionês. Nem se Michel Temer nomeasse um sacerdote católico mais ortodoxo para a CNBB, se tivesse direito a isso, esse religioso iria fazer apelos tão radicalmente conservadores.

Já se fala que o "espiritismo" está inclinado para a Teologia do Sofrimento, corrente medieval da Igreja Católica. Isso choca os "espíritas" médios, que vão para os "centros espíritas" ouvir palestras sorridentes e apresentações musicais adocicadas. Mas a identificação se dá com base em ideias, com base no que personalidades disseram, e Francisco Cândido Xavier demonstrou que a Teologia do Sofrimento virou a bússola do "movimento espírita", que de kardeciano só tem a fachada.

Chico Xavier dizia muitas vezes para as pessoas sofrerem "sem mostrar sofrimento", com suas palavras. Sua pregação ideológica sempre exaltava sofredores que viviam resignados e quietos. Como um "AI-5 do bem", Chico falava que o silêncio é a "voz da sabedoria". Por outro lado, o "bondoso médium" sempre amaldiçoava aqueles que reclamavam, tendo até um conto sobre uma queixosa - levianamente atribuído ao espírito de Humberto de Campos, mas a obra é de Chico Xavier, em parceria com Wantuil de Freitas, então presidente da FEB - que era abandonada pelas pessoas porque "reclamava da vida".

Isso é Teologia do Sofrimento, não tem como escapar. Não adianta lançar ideias relacionadas a uma ideologia nem sempre bem vista pela sociedade e dizer que não a segue. Recentemente, tivemos exemplos de pessoas de visão reacionária sobre cultura, comportamento e sociedade que, só para levar vantagem entre amigos e pessoas mais influentes, se diziam "esquerdistas" e disparavam falsas bajulações a Lula e Dilma Rousseff.

Da mesma forma, temos "espíritas" que pregam os ideais medievais trazidos por Jean-Baptiste Roustaing e adaptados ao contexto brasileiro por Chico Xavier, com o apoio entusiasmado de Divaldo Franco - outro roustanguista não-assumido - e no entanto bajulam de maneira hipócrita o professor lionês, fingindo "fidelidade absoluta" e "respeito rigoroso" aos postulados de Kardec.

Mas o conteúdo fala mais do que mil posturas que o contrariam na forma. E o conteúdo do "espiritismo" brasileiro, não bastasse o legado roustanguista que a fase dúbia (fase do "movimento espírita" em que se finge recuperar as bases doutrinárias originais, num falso equilíbrio entre "científicos" e "místicos", privilegiando estes) escondeu sob o tapete, revela algo bem pior: um projeto religioso de recuperação do Catolicismo jesuíta português, de fundamentos medievais.

É só comparar o que o projeto político de Michel Temer faz com o Brasil e o que quer o "movimento espírita" no seu conteúdo - esqueçam os desmentimentos, tão hipócritas ou tendenciosos, aqui e ali - e vemos todo um esforço em fazer o Brasil voltar, se possível, aos padrões anteriores a 1792.

No plano político, vemos a defesa da precarização do trabalho humano, com a desvalorização dos salários, o fim dos encargos e garantias trabalhistas, o fim da mediação das leis sobre os acordos trabalhistas, oferecendo vantagem aos patrões, o que faz muita gente dizer que o país está a caminho da revogação da Lei Áurea.

No plano econômico, vemos a defesa do congelamento de investimentos públicos, que irá sufocar as atividades de Educação, Saúde, Assistência e Previdência Sociais, Infraestrutura e outros setores de interesse da sociedade, ameaçando a qualidade de vida da população brasileira e, no caso dos hospitais públicos, ameaçando a vida de muitos cidadãos.

Fala-se, por outro lado, em avançar a privatização de empresas públicas, ameaçando ainda mais a sociedade com a redução drástica de serviços públicos e a entrega de boa parte deles à iniciativa privada - que quer acima de tudo lucro - e a entrega de riquezas brasileiras à exploração de corporações estrangeiras, sobretudo a reserva de petróleo no pré-sal, que lembra o nosso antigo pau-brasil (que inspirou o nome do nosso país), uma preciosidade a mais a ser entregue aos gringos.

E o que vemos, religiosamente, no "espiritismo", só para citar uma religião que se diz na "vanguarda" dos movimentos ditos espiritualistas? A religião que se autoproclama "moderna" e "futurista", como um suposto diferencial aos movimentos neopentecostais evangélicos, que buscam trazer os padrões morais do Velho Testamento. também mostra seu modelo retrógrado, a partir da ênfase de jesuítas como Emmanuel, que fazem com que os "espíritas" estejam mais interessados em recuperar valores do velho Catolicismo que o próprio Catolicismo hoje não aceita mais.

Daí o velho moralismo que é servido, como se dissolvesse em água com açúcar, em palavras bonitas dadas por palestrantes "espíritas" festejados. Um moralismo falsamente equilibrado, que usa a "vida futura" como troféu para quem sofrer mais, fazendo apologia ao sofrimento como nem os católicos ortodoxos conseguem fazer.

E o que isso significa? Significa que o "espiritismo", que sonha com uma supremacia teocrática - o projeto "Brasil Coração do Mundo e Pátria do Evangelho", renovado pela roupagem pseudo-futurista da "profecia da Data-Limite" de Chico Xavier - , também apela para a marcha-a-ré que vemos no governo Temer, e que reflete o zeitgeist ("espírito do tempo") de uma sociedade sedenta por retrocessos ultraconservadores.

Juntos, religião, política e economia traçam os fundamentos ultraconservadores que refletem um saudosismo bastante doentio em ver o Brasil voltando às velhas condições de colônia, subordinado não mais a Portugal, mas aos EUA, e limitado a ter um poder teocrático, seja ele evangélico ou "espírita". Já se fala em revogar o Dia da Consciência Negra e a Lei Áurea, num contexto em que reacionários despejam livremente comentários racistas. Daqui a pouco vão querer revogar o Dia da Independência, substituindo o Sete de Setembro pelo Quatro de Julho estadunidense. São tristes tempos de um Brasil louco para andar para trás, num saudosismo febril de tão doentio.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

Anti-esquerdismo "espírita" vai contra proposta da caridade

O "Espiritismo" brasileiro é cheio de contradições, graças a sua recusa em raciocinar e analisar tudo que chega aos seu redor. Abraçou a fé cega e a bondade estereotipada e se limita a fazer caridade paliativa, aquela que serve de mera compensação para que os necessitados se mantenham em suas condições humilhantes. 
Agora, os "espíritas" (de Chico Xavier) e os espíritas (de Allan Kardec) encanaram de aderir ao sádico ódio fascista anti-esquerda. Criminalizaram os movimentos sociais, a personalidades de esquerda e glorificaram o excludente Capitalismo, se baseando na tolice da meritocracia e descartando de uma vez por todas a acridade mencionada por Allan Kardec, um socialista, em suas obras.
Só o direitismo assumido pelo "Espiritismo" brasileiro jé envolve um festival de contradições que poderão implodir a doutrina no Brasil, que já é muito fraca em outros países. Ela entra em violento choque com a finalidade original da doutrina, que é a caridade, além …

Ódio anti-petista de Robson Pinheiro pode ter orientação de espíritos de senhores de engenho e adeptos do Fascismo

O "Espiritismo" sempre foi conhecido como a religião da razão e do amor. Mas Robson Pinheiro que mudar isso. Para ele o "Espiritismo" passa a ser a doutrina da barbárie e do ódio. Incapaz de negociar com aqueles que não se afinam com suas convicções políticas elitistas, Pinheiro se une aos neo-pentecostais e derrama a sua gosmenta baba de raiva contra a esquerda, ignorando os verdadeiros responsáveis pela crise, que é mundial e desprezando os bastidores do poder.
Robson é um autêntico analfabeto político, pois dá sinais de que não sabe das complexas relações de poder, num perfeito exemplo de pedantismo político. E de acordo com a lei de afinidade (ignorada pelos "espíritas" brasileiros), atrai espíritos de senhores de engenho e de simpatizantes do Fascismo. Pinheiro psicografa um livro "político" demonstrando escancarado desconhecimento sobre o assunto. Ignora fatos que comprovam que a verdadeira quadrilha é justamente os políticos que ele apoi…