Pular para o conteúdo principal

Crescimento de ideais fascistas desmoraliza "Espiritismo" brasileiro

Vivemos em um tempo de decadência humana. Estamos perdendo a capacidade de entender o outro. Raivosos graças ao desespero de salvar nossos bens e convicções em tempos de crise mundial, tentamos transformar aqueles que divergem de nossos interesses em vilões e criamos a ânsia de destruí-los, seja por punições, seja pela morte.

Esta convulsão social resultante desse desespero pelo menos tem servido para uma coisa boa: tirar a mascara do "Espiritismo" brasileiro, uma doutrina construída com base em mentiras e que em mais de 100 anos de existência não conseguiu dar a mínima contribuição para tentar melhorar pelo menos a sociedade brasileira, servindo mais de fonte de lucro e prestigio para lideranças, imediatamente divinizadas, tratadas como semi-deuses blindados pelo senso comum.

O resultado da incapacidade do "Espiritismo" brasileiro em melhoras as pessoas está nesta onda de ódio anti-humano que se multiplica de forma irresponsável pelo país afora. Para piorar, o próprio "Espiritismo", ao invés de combater, alimenta esta onda de ódio por meio de dois livros irresponsáveis "psicografados" pelo médium Robson Pinheiro, de conteúdo claramente fascista. Será que "Ângelo Inácio" foi algum discípulo de Hitler ou Mussolini? Ou um dos próprios?

No ano em que o farsante Divaldo Franco, que com a sua pose de professor antiquado e sua voz de padre defende ideias sem pé nem cabeça como a absurda tese das "Crianças Índigo e Cristal", chegará aos 90 anos, vemos ao moribundo "Espiritismo" cada vez mais perdendo a credibilidade.

Claro que muitos dos envolvidos nesta farsa vão tentar salvar a pseudo-doutrina inventando teorias malucas para tentar justificar a incompetência de lideranças "espíritas" na transformação da humanidade. "Espiritismo" rende muito dinheiro e prestígio e muitos se dão muito bem com a doutrina, mesmo sabendo que enganam multidões de ingênuos a acreditar nas bobagens proferidas não somente em palestras em centros, mas também em caríssimos workshops sobre temas fúteis e mais caros ainda documentários para tentar legitimar a asneira da Data Limite, absurdo cheio de erros ditado pelo beato católico Chico Xavier, intruso no "Espiritismo".

Mas quem utilizar a verdadeira logica e o bom senso vai perceber que o que é feito no Brasil sobre o nome de "Espiritismo" é uma farsa e nada tem a ver com a doutrina original surgida na França. Mas com o fracasso na educação da sociedade, o "Espiritismo", ainda sem uma liderança a continuar o processo de ludibriação iniciado pelo corrupto político católico Bezerra de Menezes há mais de 100 anos, prepara o caminho para o seu fim, pois com o avanço da lógica e a decepção com a realidade, fica difícil acreditar em qualquer asneira pomposa de pseudo-evolução.

Está mais do que na hora de desistirmos de utilizar mentiras para tentar consolar os aflitos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

Anti-esquerdismo "espírita" vai contra proposta da caridade

O "Espiritismo" brasileiro é cheio de contradições, graças a sua recusa em raciocinar e analisar tudo que chega aos seu redor. Abraçou a fé cega e a bondade estereotipada e se limita a fazer caridade paliativa, aquela que serve de mera compensação para que os necessitados se mantenham em suas condições humilhantes. 
Agora, os "espíritas" (de Chico Xavier) e os espíritas (de Allan Kardec) encanaram de aderir ao sádico ódio fascista anti-esquerda. Criminalizaram os movimentos sociais, a personalidades de esquerda e glorificaram o excludente Capitalismo, se baseando na tolice da meritocracia e descartando de uma vez por todas a acridade mencionada por Allan Kardec, um socialista, em suas obras.
Só o direitismo assumido pelo "Espiritismo" brasileiro jé envolve um festival de contradições que poderão implodir a doutrina no Brasil, que já é muito fraca em outros países. Ela entra em violento choque com a finalidade original da doutrina, que é a caridade, além …

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…