Pular para o conteúdo principal

Anti-esquerdismo "espírita" vai contra proposta da caridade

O "Espiritismo" brasileiro é cheio de contradições, graças a sua recusa em raciocinar e analisar tudo que chega aos seu redor. Abraçou a fé cega e a bondade estereotipada e se limita a fazer caridade paliativa, aquela que serve de mera compensação para que os necessitados se mantenham em suas condições humilhantes. 

Agora, os "espíritas" (de Chico Xavier) e os espíritas (de Allan Kardec) encanaram de aderir ao sádico ódio fascista anti-esquerda. Criminalizaram os movimentos sociais, a personalidades de esquerda e glorificaram o excludente Capitalismo, se baseando na tolice da meritocracia e descartando de uma vez por todas a acridade mencionada por Allan Kardec, um socialista, em suas obras.

Só o direitismo assumido pelo "Espiritismo" brasileiro jé envolve um festival de contradições que poderão implodir a doutrina no Brasil, que já é muito fraca em outros países. Ela entra em violento choque com a finalidade original da doutrina, que é a caridade, além de transformar a doutrina que seria "de amo" em uma doutrina do ódio.

Metida a religião mais "progressista", foi radicalmente ultrapassada pelos setores mais progressistas da Igreja Católica, que anseiam por lideranças como Luís Inácio Lula da Silva, o primeiro presidente a adotar medidas eficientes em favor dos mais necessitados e que por ignorância de seus algozes (a elite egoísta que odeia repartir bens, mas se auto-rotula de "justa" e "boa") é tratado como se fosse pior que um bandido, sem cometer um só deslize comprovável.

O "Espiritismo" brasileiro é considerado uma seita de elite. A maior parte de seus seguidores se encontra nas classes privilegiadas. Isso explica o direitismo repentino da doutrina que apesar de transformar a caridade na sua razão de ser a quer ver limitada a sopinhas aguadas e agasalhos rasgados, rejeitando qualquer tipo de atitude que se proponha a fazer uma redistribuição mais justa de renda, bens e direitos.

A elite egoísta do "Espiritismo" brasileiro arranca de uma vez a sua máscara de bondosa a condena a verdadeira caridade praticada pelas lideranças de esquerda: aquela que entende que todos somos irmãos e merecemos exatamente os mesmos direitos, a ser repartidos de forma igual entre todos os seres humanos. O direitismo dos "espírita" mostra que a "doutrina" está cada vez mais longe de Allan Kardec e de sua proposta pela verdadeira caridade.

Com isso, o "Espiritismo" brasileiro se dá as mãos com o mais nojento neo-pentecostalismo, estranhamente muito criticado pelos "espíritas". Cheios de interesses particulares, as duas seitas declaram guerra contra o verdadeiro altruísmo, que só pode ser praticado de forma eficiente através de ideais progressistas, exclusividade nas mentes dos esquerdistas criminalizados por suas lideranças e seguidores.

Se fora da caridade não há salvação, é agora que o moribundo "Espiritismo" brasileiro, em franca decadência, não vai se salvar mesmo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…