Pular para o conteúdo principal

"Vencer a si mesmo" é a pior bobagem que um "espírita" pode dizer

Que o "espiritismo" anda cometendo das suas, isso é verdade. Vide classificar como "regeneração da humanidade" uma manifestação de midiotas" contra Dilma Rousseff, uma série de protestos movidos pelo ódio (alô, "espíritas") e que abriu caminho para esse governo de corruptos tendo à frente o retrógrado Michel Temer.

Isso vem desde 1884, quando o "espiritismo" escolheu ser apenas uma adaptação paranormal do Catolicismo português, de moldes medievais. O "espiritismo" se limita a ser apenas um "catolicismo à paisana", sem folhas de ouro, sem batinas pesadas nem ritos austeros, em que é preciso colocar, no mezanino, um órgão gigante para tocar os acordes musicais sacros.

Não. Basta um rapazinho com violão e umas três pessoas cantando junto e, pronto, temos a musiquinha "espírita" (leia-se com letras "positivas"), seja ela que for, até "Rap da Felicidade", se o pessoal escolher. Isso se não colocarem "Beijinho no Ombro", que parece ser o tema do "Coração do Mundo".

Pois o "espiritismo", escolhendo ser tão somente um catolicismo sem uniforme mas com paranormalidade, iniciou seu rol de confusões, contradições e equívocos muito, muito graves, tão graves e tão deploráveis que dá pena as pessoas darem ouvidos a um "espírita".

Nem um Divaldo Franco merece um milésimo da credibilidade e prestígio que recebe. Se estivéssemos em um país desenvolvido, Divaldo seria desmascarado como um charlatão manipulador. Ele é até garoto-propaganda de uma farsa chamada "crianças-índigo", que custou até a união do casal que inventou essa bobagem, com tanta ganância financeira.

Além disso, se Divaldo vivesse no tempo de Jesus de Nazaré, a decepção seria gigantesca, porque o "médium" baiano personifica justamente o tipo de hipócrita religioso, verborrágico, adulador e mistificador. Esta constatação pode chocar muitos e muitos brasileiros, mas, paciência, o país tem um elenco de "notáveis" completamente desastrado, bando de "confiáveis" sem confiança, pessoas que erram demais e com muita gravidade, mas que "têm sempre razão".

E aí muitos acabam tendo crenças e visões absurdas, não percebem o asneirol que vem "de cima", de gente com prestígio, com fama, com dinheiro, tida como "sábia", "admirável" ou coisa parecida. Houve gente que ingenuamente classificou o "espiritismo" brasileiro como "progressista" sem saber que a doutrina defende ideias medievais, apenas sob uma retórica suave e atraente.

VENCER? NÃO SERIA DERROTAR?

Uma das maiores besteiras cometidas pelos "espíritas" é o mito do "vencer a si mesmo". Acham que isso é uma ideia relacionada a uma combinação de esperança, esforço, resignação e perseverança, quando isso é, na verdade, uma grande asneira que só serve para depreciar ainda mais alguém que sofre.

Afinal, na linguagem das competições esportivas, "vencer" significa "derrotar". Se você vence alguém, você está derrotando alguém. Se você vence a si mesmo, logo quem está sendo derrotado é você mesmo. Você sairá vencedor nesta? Não. 

Se você venceu você mesmo, você se derrotou, Você não é vencedor e, como numa multiplicação entre um número negativo e outro positivo não dá para ter resultado positivo, não há chance de haver um vencedor no combate de você consigo mesmo.

Se você prestar atenção nessa mancenilheira retórica dos "espíritas", "palavras de amor" que viram peçonhas para a vida, verá que essa ideia de "vencer a si mesmo" esconde alguns aspectos profundamente perversos e desumanos.

A ideia é: deixe de lado seus desejos, suas necessidades, seus talentos, seus méritos. Viva uma vida "qualquer nota" e fim de papo. Aprenda a gostar do que detesta, a fazer o que não sabe, fique feliz com seu sofrimento, sorria para quem lhe prejudica gravemente, e se você puder respirar, isso é tudo o que você terá em sua vida.

Isso mostra o quanto o "espiritismo" brasileiro é ligado à Teologia do Sofrimento, principal corrente do Catolicismo medieval, cujo aspecto desumano está em pouco se importar se a pessoa desperdiça uma encarnação inteira sofrendo desgraças.

Como para o "espiritismo" não existe individualidade, e a vida material e espiritual não têm critério algum, senão uma simplória resolução de um maniqueísmo, tanto faz você viver uma ou duas encarnações com desgraça e mudar demais seus planos de vida de modo a abrir mão até do que mais precisa e sacrificando até seus dons de ajudar e transformar a humanidade.

Daí que "vencer a si mesmo" significa, na verdade, abrir mão de sua individualidade, de seus talentos e suas qualidades humanas e aceitar ser capacho do destino, ser um escravo das circunstâncias e sofrer o que tiver que sofrer, visando a loteria do céu, através do prêmio das "bênçãos futuras" que ninguém consegue esclarecer o que se trata, e talvez possa significar, simplesmente: NADA.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

Anti-esquerdismo "espírita" vai contra proposta da caridade

O "Espiritismo" brasileiro é cheio de contradições, graças a sua recusa em raciocinar e analisar tudo que chega aos seu redor. Abraçou a fé cega e a bondade estereotipada e se limita a fazer caridade paliativa, aquela que serve de mera compensação para que os necessitados se mantenham em suas condições humilhantes. 
Agora, os "espíritas" (de Chico Xavier) e os espíritas (de Allan Kardec) encanaram de aderir ao sádico ódio fascista anti-esquerda. Criminalizaram os movimentos sociais, a personalidades de esquerda e glorificaram o excludente Capitalismo, se baseando na tolice da meritocracia e descartando de uma vez por todas a acridade mencionada por Allan Kardec, um socialista, em suas obras.
Só o direitismo assumido pelo "Espiritismo" brasileiro jé envolve um festival de contradições que poderão implodir a doutrina no Brasil, que já é muito fraca em outros países. Ela entra em violento choque com a finalidade original da doutrina, que é a caridade, além …

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…