Pular para o conteúdo principal

"Espiritismo" rompe com proposta de caridade ao aprovar golpe e governo Temer

Kardec havia lançado uma frase que se tornou lema do Espiritismo que ele fundara: Fora da caridade não há salvação.  Aí vieram os deturpadores, sobretudo Jean Baptiste Roustaing que distorceram não somente toda a doutrina como também  conceito de caridade, se limitando ao que já era feito no Catolicismo e nas outras seitas cristãs.

O "Espiritismo" brasileiro, afeito a Roustaing, mas que vive fingindo seguir Kardec, também distorceu o conceito de caridade, resultando na total incompetência em acabar com os problemas e auxiliar os mais necessitados. 

O superestimado "Espiritismo" brasileiro não conseguiu, em mais de 130 anos de existência, mudar a sociedade brasileira para que ela fosse mais justa e solidária. E em 2016 acaba de tomar uma infeliz decisão que poderá piorar as coisas e que vai totalmente contra a proposta de bem estar da humanidade que tanto fala em suas palestras e discursos.

Eis que a "doutrina do amor e da paz" resolve assumir seu direitismo, apoiando um golpe instaurado por um bando de corruptos de índole sádica que pretende cancelar muitos direitos essenciais sob o pretexto de "salvar a economia" do país. Salvar a economia condenando seres humanos. É isso que o "Espiritismo" pretende apoiar agora?

A citada "economia" na verdade não passa de ente abstrato que corresponde apenas as regras do mercado, das finanças e tem mais a ver com o bem estar de empresas e de seus donos do que seres humanos. Na prática vai salvar apenas as elites e arruinar com a vida de quem não faz parte delas.

Mas como salvar as empresas às custas de sacrifício humano? Se esquecem todos que pessoas podem existir sem empresas, mas empresas não existem sem pessoas. Não tentem defender o contrário, pois o Capitalismo não e o único sistema possível, além de ser um dos mais cruéis.

O "Espiritismo" age em franca contradição ao apoiar este governo de mafiosos interessados em priorizar interesses gananciosos de grandes empresários. Mas a ganância não é um problema? Porque defender um sistema que pretende legitimar a ganância e o prejuízo alheio?

E onde entrará a caridade nesse apoio dos "espíritas" ao golpe? Vamos ficar limitados à caridade paliativa das sopinhas aguadas e a agasalhos rasgados? Os "espíritas" não percebem  solo em que passaram a pisar. Pode ser o fim da doutrina deturpada por Bezerra, Divaldo e Chico, já que ficou mais difícil enganar a população com a fajuta máscara do bom-mocismo e da caridade paliativa.

O "Espiritismo" brasileiro, que em mais de 130 anos não conseguiu melhorar a sociedade brasileira como um todo, agora mesmo que mostra a sua total incapacidade, ao apoiar gente tão desonesta e gananciosa. 

O umbral é aqui mesmo, sob a "administração" do Capo Temer e de sua mafiosa quadrilha de predadores capitalistas, com a bênção da igreja de São Francisco Cândido Xavier.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Divaldo Franco não apoia só a Operação Lava Jato. Apoia um Tribunal de Exceção!

As esquerdas se comportam como aquele loser que, só porque a moça mais desejada da escola se dirigiu a ele para dar bom dia, ele acha que ela está apaixonada por ele. Em certos aspectos, chega a sentir fascínio por aqueles que, em verdade, abominam o esquerdismo e só o usam para atender seus interesses por conveniência.
O "funk" e o "espiritismo" são esses exemplos. Os dois são fenômenos blindados pelas Organizações Globo e voltados a perspectivas conservadoras de abordagem social. Apostam na visão paternalista de assistência ao povo pobre, glamourizam a miséria de forma a permitir que as classes pobres vivam razoavelmente sem no entanto romper com sua situação inferiorizada na hierarquia social. Apesar disso, as esquerdas se comportam, em relação a esses dois fenômenos, como aquele loser apaixonado por aquela "mina" que nunca dá bola a ele.
Dessa maneira, os "espíritas" agem também como aquele marido traído - uma espécie de loser que "deu …

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…