Pular para o conteúdo principal

Palestrantes "espíritas", que pregam a aceitação do sofrimento por outrem, vivem boa vida

Os chamados palestrantes "espíritas", alguns deles também "médiuns" - o caso de Divaldo Franco é notório - , sempre vivem apelando para os outros aceitarem o sofrimento, se resignarem com piores perdas, desgraças e prejuízos, pedindo para que se ore em silêncio, sem reclamar e sem denunciar o próprio sofrimento para outras pessoas, nem mesmo os familiares.

Esse "holocausto do bem" defendido pelo "espiritismo" brasileiro, que apoiou o golpe político de 2016, confirma que a doutrina que rasgou os ensinamentos originais trazidos pelo pedagogo Allan Kardec, embora este seja alvo de persistente bajulação, está voltada para a Teologia do Sofrimento, corrente medieval da Igreja Católica. Sabe-se que, se o "espiritismo" brasileiro recuperou bases de alguma coisa, essas bases não foram os postulados espíritas originais, mas o Catolicismo medieval que foi introduzido pelos jesuítas no Brasil colonial.

As pessoas vão dormir tranquilas diante desses apelos que julgam de "contundente sabedoria" e "surpreendente bondade". Não percebem a crueldade terrível desses apelos de "sofrer em silêncio", "não reclamar, mas orar, de preferência, calado" e "não mostrar os sofrimentos para os outros". Iludidas pelo mel das palavras dos palestrantes "espíritas", que escondem venenos mortais aqui e ali, as pessoas também não perguntam se os "espíritas" realmente sabem o que é sofrimento.

Para o "espírita", pouco importa se uma parcela de brasileiros vive no desemprego insuperável, que muitos moram nas calçadas sem saber se estarão vivos no próximo amanhecer, sem higiene e prostrados em situação degradante. Os "espíritas" acham que esses sofredores são "felizes" ou "deveriam se sentir felizes, pois Deus olha para eles", e ainda têm o cinismo de apenas oferecer doações paliativas, como mantimentos, roupas e cobertores, não raro alimentos não-perecíveis de baixa qualidade e roupas usadas que possuem alguma mancha ou alguma parte rasgada.

Será que os "espíritas" não sofrem? Os palestrantes que pregam o sofrimento para outrem vivem na boa vida. Seu emprego é comercializar umas palavrinhas dóceis através de livros e palestras, aparecendo em colunas sociais e realizando eventos em lugares chiques e caríssimos, posando para fotos ao lado de aristocratas e pessoas de elevado status social, se hospedando nos melhores hotéis, tomando para si uma boa remuneração que inventam ser "100% para a caridade".

Cem por cento para a caridade? Como, assim? O palestrante "espírita" se alimenta de luz? A arrogância com que, certa vez, uma banda musical que se apresentou no Campo de São Bento, em Niterói, declarou que a renda de seu CD seria "cem por cento para as obras assistenciais" de uma instituição com o nome de Chico Xavier, é notória. Mas também não é menos arrogante haver gente de falsa modéstia como Alamar Régis Carvalho, que "não vê problema em ganhar dinheiro com o espiritismo, desde que honesto (sic)", porque isso não humaniza os "espíritas".

Sabe-se que muito da "caridade espírita" vai para os bolsos de seus palestrantes, da renda das instituições envolvidas, de estabelecimentos comerciais relacionados etc. Enquanto sofredores são "convidados" e "aconselhados" a abrir mão dos desejos e necessidades mais humanos - mesmo aqueles que trariam evolução espiritual - , os palestrantes acham que "sofrem" dedicando horas a escrever livrinhos tolos de auto-ajuda "espírita", com muito engodo igrejista e mensagens piegas, e fazer palestras com esse mesmo conteúdo viscoso e gosmento, apesar do sabor de mel das palavras.

Que desonra e que indignidade se escondem sob a reputação do mais alto prestígio religioso. O que o manto da fé e o véu dos mais lindos apelos emocionais é capaz de fazer, permitindo que pessoas tidas como "iluminadas" fizessem julgamentos de valor tão severos. 

Imagine alguém fazer turismo pelo Brasil e pelo mundo, se hospedar nos melhores hotéis, comer do bom e do melhor, faturar com livros e palestras, aparecer ao lado dos ricos e poderosos, e dizer que os sofredores devem ficar aguentando desgraças porque, depois da morte, virão as bênçãos eternas. Esses palestrantes "espíritas" são dignos de respeito e admiração por causa de tão afiados punhais? Ou teremos que manter a cegueira complacente e achar que o masoquismo é a receita de vida para as pessoas? 

Não. O prestígio religioso dos palestrantes e "médiuns" não é moeda de troca para o flagelo humano. Antes da adoração a algum ídolo religioso, mesmo à mercê de apelos como imagens lindas de jardins floridos e crianças sorridentes, o respeito humano tem que vir em primeiro lugar. Se os ídolos religiosos pregam o sofrimento alheio, é porque eles não merecem esse respeito e admiração que tanto os blindam com muita persistência e convicção. Essa adoração tem que acabar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Divaldo Franco não apoia só a Operação Lava Jato. Apoia um Tribunal de Exceção!

As esquerdas se comportam como aquele loser que, só porque a moça mais desejada da escola se dirigiu a ele para dar bom dia, ele acha que ela está apaixonada por ele. Em certos aspectos, chega a sentir fascínio por aqueles que, em verdade, abominam o esquerdismo e só o usam para atender seus interesses por conveniência.
O "funk" e o "espiritismo" são esses exemplos. Os dois são fenômenos blindados pelas Organizações Globo e voltados a perspectivas conservadoras de abordagem social. Apostam na visão paternalista de assistência ao povo pobre, glamourizam a miséria de forma a permitir que as classes pobres vivam razoavelmente sem no entanto romper com sua situação inferiorizada na hierarquia social. Apesar disso, as esquerdas se comportam, em relação a esses dois fenômenos, como aquele loser apaixonado por aquela "mina" que nunca dá bola a ele.
Dessa maneira, os "espíritas" agem também como aquele marido traído - uma espécie de loser que "deu …

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…