Pular para o conteúdo principal

Para "espíritas" brasileiros, país só "progride" com retrocesso

Para quem acha que o "Espiritismo" brasileiro é caridoso, progressista, intelectual e outras coisas boas, sem enxergar o que é feito na prática, vai estranhar a declaração. Mas para quem conhece os bastidores da deturpada doutrina que bajula Allan Kardec mas beija os pés (e a boca) do "ignorado" Jean Baptiste Roustaing (pouco lembrado mas muito seguido pelo "espíritas" cristãos), sabe que a declaração é a mais adequeda possível.

A declaração, dada meses atrás por um jornal "espírita" carioca, classificou o protesto das elites com o pato amarelo da FIESP como "politização do povo brasileiro" e "início da regeneração terrestre" num afã desesperado de tentar confirmar a profecia do "deus" Chico Xavier, o "colecionador de qualidades". Confirmar a tola profecia do médium-beato católico é uma maneira de canonizá-lo e manter de pé a versão deturpada da doutrina, gerando muita renda para suas lideranças.

Só que os protestos "verdes e amarelos" foram organizados por partidos conservadores com a ajuda de instituições poderosas, como empresas de porte gigantesco, a mídia corporativa, grupos religiosos e - pasmem - instituições fascistas, estas  as mais empenhadas e influentes nos protestos. 

É para ficar preocupado. Extremamente preocupado. Até a saudação nazista foi feita durante as manifestações, o que serve como alerta de que os protestos anti-petistas estão bem longe de ser pró-humanistas e pró-democracia. E mais longe ainda de significar "politização e o progresso espiritual da humanidade".

Um livro "espírita" de conteúdo fascista foi escrito por um jovem médium na tentativa de legitimar as manifestações de direita. sabe-se muito bem que setores religiosos ligados a certas teologias, sonham em uma teocracia, para que alguns avanços sociais, contrários a muitos dogmas religiosos, sejam interrompidos. 

Os "espíritas", os evangélicos e setores neo-medievais da Igreja Católica se empenham em apoiar o golpe para que seus dogmas sejam respeitados e impostos a toda a sociedade, mesmo a que não segue nenhum tipo de crença. Apenas a Igreja Católica, em setores mais progressistas, se declarou abertamente contra o golpe.

Os "espíritas", tão metidos a racionais e progressistas, se encolheram em seus centros a orar e falar besteira. Majoritariamente elitista, o "Espiritismo" brasileiro se situa na tranquilidade de ver um grupo de desafetos (O Partido dos Trabalhadores, responsável pela boa fase de desenvolvimento que o país se encontrava, mas foi sabotado pelos partidos de direita presentes no Congresso)  fora do poder. 

O Brasil se prepara para entrar em uma caótica ditadura e nenhum "espírita": eu disse NENHUM se pronunciou publicamente para demonstrar preocupação com os tempos tenebrosos que estão por vir para a sociedade brasileira, num festival de injustiças que arruinará o desenvolvimento do país. Ao invés disso, escrevem textos e mais textos pedindo para aceitar o sofrimento, numa demonstração implícita de total apoio a ditadura golpista que se instalou no país.

Interessante que os "espíritas" ricos pedem para os pobres aceitarem o sofrimento que os mesmos ricos não aceitariam. Cometem a hipocrisia de dizer que mendigos são "prósperos" e magnatas são "sofredores", para que as injustiças resultantes da desnivelada distribuição de renda seja mantida.

Esta é a verdadeira face do "Espiritismo" brasileiro, uma doutrina cara-de-pau mergulhada na ilusão e que ao invés de praticar a verdadeira bondade, a usa como capa para esconder as suas deformidades de caráter que faz com que as suas lideranças e seguidores apoiem um governo sádico, excludente e que poderá enfiar o Brasil para dentro da areia movediça, fazendo com que somente as "sofredoras" elites conheçam de fato a prosperidade que se recusam a repartir com as classes mais "inferiores".

Se o golpe serviu para alguma coisa boa, foi para mostrar que o "Espiritismo" brasileiro é uma farsa. Impossível avançar o progressos espiritual sendo bastante retrógrado e excludente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

Anti-esquerdismo "espírita" vai contra proposta da caridade

O "Espiritismo" brasileiro é cheio de contradições, graças a sua recusa em raciocinar e analisar tudo que chega aos seu redor. Abraçou a fé cega e a bondade estereotipada e se limita a fazer caridade paliativa, aquela que serve de mera compensação para que os necessitados se mantenham em suas condições humilhantes. 
Agora, os "espíritas" (de Chico Xavier) e os espíritas (de Allan Kardec) encanaram de aderir ao sádico ódio fascista anti-esquerda. Criminalizaram os movimentos sociais, a personalidades de esquerda e glorificaram o excludente Capitalismo, se baseando na tolice da meritocracia e descartando de uma vez por todas a acridade mencionada por Allan Kardec, um socialista, em suas obras.
Só o direitismo assumido pelo "Espiritismo" brasileiro jé envolve um festival de contradições que poderão implodir a doutrina no Brasil, que já é muito fraca em outros países. Ela entra em violento choque com a finalidade original da doutrina, que é a caridade, além …

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…