Pular para o conteúdo principal

"Espiritismo" no Brasil é uma doutrina traiçoeira

Por Senhor dos Anéis

Infelizmente, as boas intenções do pedagogo Leon Rivail, conhecido como Allan Kardec, foram totalmente desvirtuadas pelo Catolicismo redivivo que veio a se constituir no Espiritismo brasileiro.

Já na França, quando a política era submetida aos valores da Igreja Católica, Kardec já sentia o peso de suas lições, ideias e projetos serem postos à margem. Mesmo seus aliados passaram a assumir seu legado, depois da morte do pedagogo, de maneira tão moderada que a essência científica das descobertas espíritas se diluiu para um religiosismo moralista que aumentou feito uma bola de neve.

No Brasil, marcado pelo medievalismo dos jesuítas e pela herança do Catolicismo de Portugal que, mesmo depois do impacto da Revolução Francesa, ainda mandava queimar hereges em praça pública, o Espiritismo já começou distorcido, para não desagradar as lideranças católicas do país.

Se as lições do professor Kardec se tornaram parcialmente apreciadas - apenas ideias genéricas como a vida após a morte e a reencarnação - , a coisa piorou mais ainda quando um intruso, o advogado francês Jean-Baptiste Roustaing, foi fazer Doutrina Espírita de acordo com seu umbigo católico e brindou o país com ideias alucinadas e alucinantes.

Aí, durante um bom tempo, o que se entende como "doutrina espírita" no Brasil passou a incluir um Jesus Cristo fluídico que nunca passou de um fantasma materializado, que não sofreu as dores que teve, principalmente quando era crucificado. Não bastasse isso, Roustaing ainda trouxe a ameaça de que viraríamos lesmas e vermes se não nos comportarmos direitinho na encarnação presente.

Mas isso é pinto. O que veio a reboque do "espiritismo" brasileiro foi muito pior do que os delírios de Roustaing, porque estes poderiam ser combatidos com um argumento mais lógico. O que veio a reboque, a partir do médico Adolfo Bezerra de Menezes - que todo mundo esqueceu que não era mais do que um "típico político do PMDB" no Segundo Império - foi osso duro de roer.

Vieram ritos católicos travestidos de "espíritas", desde a "água fluidificada" (ou água benta?) até o "auxílio fraterno" (ou confessionário?), valores moralistas tipicamente católicos que, contrariando as condições materiais das encarnações, transformam a instituição Família em clãs espirituais fixos e permanentes, num claro sinal de materialismo hierárquico.

A ciência só aparece se for para comprovar absurdos e não questionar os dogmas, ritos e fantasias que o "espiritismo" brasileiro transmite. Se, por exemplo, os "espíritas" falam em "zoológico do além", a Zoologia só é bem-vinda quando corrobora todo tipo de fantasia. Se arrisca a questioná-la, é rebaixada a "julgamento terreno dos homens sob a ótica da matéria".

Os supostos "médiuns" só fazem aumentar a bagunça, escrevendo tudo de sua própria imaginação e atribuindo os nomes aos mortos de sua escolha. Mensagens "espirituais" iguaizinhas, com as caligrafias apenas dos "médiuns", não passam de propagandismo religioso, tendo até mershandising e tudo o mais.

E o que isso atrai? Espíritos puros da mais elevada condição moral? Espíritos dotados tanto de profunda inteligência e caráter grandioso? Nem em sonhos! O que atrai são espíritos brincalhões e até perversos que veem nesse carnaval da falsidade ideológica um recreio para seus instintos enganadores e exploradores.

Até quando há tragédias, os "espíritas" usam o pretexto da "vida após a morte" para justificar seu julgamento desumano. Relativizando a culpa dos algozes, concentram-se na condenação das vítimas cujas tragédias são "explicadas" pela alegação de "reajustes espirituais".

O "espiritismo", dessa forma, acaba se nivelando ao pior coronelismo dos latifundiários, e de repente qualquer algoz, canalha e crápula que agir contra o próximo é "inocentado" porque seus erros individuais, mesmo os movidos pela impulsividade egoísta, são amenizados porque seguem "princípios de reajustes espirituais".

A "turminha trevosa" faz a festa. E todos se juntam aos "centros espíritas", se apegam aos "médiuns", e intuem até mesmo na produção de obras supérfluas, que no entanto fazem muitos leitores se apegarem às supostas "lições de amor" nelas escritas.

As pessoas acabam aceitando os piores sofrimentos e atraindo todo tipo de infortúnio. E são forçadas pelo "espiritismo" brasileiro a aceitarem felizes até a pior tortura, a perda desnecessária dos melhores amigos, parentes e cônjuges e acreditar que tudo isso ficará superado numa "vida futura" que ninguém sabe quando ocorrerá.

Claro, pimenta nos olhos dos outros é refresco, e não é o "astro" do "espiritismo" que perderá, ao menos prematuramente, o melhor amigo, a mais bela namorada ou aquele melhor confidente, mas o do seu fiel seguidor que se dirige a essa seita com fidelidade canina e vontade bovina.

Isso acaba atraindo espíritos traiçoeiros que haviam agido no Catolicismo medieval e que, agora, tentam reciclar a religião do imperador romano Constantino com algumas pequenas alterações, como o arremedo de ciência, a reencarnação e a vida espiritual. 

Mas, de resto, é o mesmo Catolicismo Apostólico Romano que hoje tenta se esconder sob as calças do professor Rivail. E é justamente ele, lá do além, que tem seu nome posto na conta de todos os abusos e erros, muitos gravíssimos, cometidos pelos "espiritas" brasileiros. Infelizmente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

Anti-esquerdismo "espírita" vai contra proposta da caridade

O "Espiritismo" brasileiro é cheio de contradições, graças a sua recusa em raciocinar e analisar tudo que chega aos seu redor. Abraçou a fé cega e a bondade estereotipada e se limita a fazer caridade paliativa, aquela que serve de mera compensação para que os necessitados se mantenham em suas condições humilhantes. 
Agora, os "espíritas" (de Chico Xavier) e os espíritas (de Allan Kardec) encanaram de aderir ao sádico ódio fascista anti-esquerda. Criminalizaram os movimentos sociais, a personalidades de esquerda e glorificaram o excludente Capitalismo, se baseando na tolice da meritocracia e descartando de uma vez por todas a acridade mencionada por Allan Kardec, um socialista, em suas obras.
Só o direitismo assumido pelo "Espiritismo" brasileiro jé envolve um festival de contradições que poderão implodir a doutrina no Brasil, que já é muito fraca em outros países. Ela entra em violento choque com a finalidade original da doutrina, que é a caridade, além …

Ódio anti-petista de Robson Pinheiro pode ter orientação de espíritos de senhores de engenho e adeptos do Fascismo

O "Espiritismo" sempre foi conhecido como a religião da razão e do amor. Mas Robson Pinheiro que mudar isso. Para ele o "Espiritismo" passa a ser a doutrina da barbárie e do ódio. Incapaz de negociar com aqueles que não se afinam com suas convicções políticas elitistas, Pinheiro se une aos neo-pentecostais e derrama a sua gosmenta baba de raiva contra a esquerda, ignorando os verdadeiros responsáveis pela crise, que é mundial e desprezando os bastidores do poder.
Robson é um autêntico analfabeto político, pois dá sinais de que não sabe das complexas relações de poder, num perfeito exemplo de pedantismo político. E de acordo com a lei de afinidade (ignorada pelos "espíritas" brasileiros), atrai espíritos de senhores de engenho e de simpatizantes do Fascismo. Pinheiro psicografa um livro "político" demonstrando escancarado desconhecimento sobre o assunto. Ignora fatos que comprovam que a verdadeira quadrilha é justamente os políticos que ele apoi…