Pular para o conteúdo principal

O "espiritismo" é uma doutrina de incompetentes

Uma coisa chama a atenção no tal "espiritismo" brasileiro. É a manifestação de pedantismo em vários aspectos, que criam um falso cientificismo e um pseudointelectualismo dentro da doutrina brasileira, que faz com que até igrejeiros possam posar de "sábios" diante de seus seguidores.

As publicações "espíritas" e os seminários mostram, como exemplos, ilustrações de cenários cósmicos ou de figuras da anatomia humana, prometendo uma análise filosófica e científica, com evocações aparentes a conhecimentos físicos, químicos, biológicos e antropológicos, mas sem a profundidade necessária, mas através de conceitos confusos corrompidos por abordagens esotéricas, místicas.

O "espiritismo" virou a religião dos que tiram "nota vermelha". Físicos frustrados se tornam articulistas e palestrantes a fazer descrições superficiais sobre conhecimentos físicos. Romancistas incompetentes viram sucesso imediato através de romances "mediúnicos" que são meros dramalhões temperados pelo moralismo religioso.

O caráter de incompetência e incompreensão típico do Brasil - exemplos recentes são a atuação irregular do juiz Sérgio Moro e do governo do presidente Michel Temer, cheio de transgressões à lei e à justiça social - , que em 1944 praticamente inocentou o "médium" Francisco Cândido Xavier com o empate jurídico diante do processo judicial sobre os pastiches literários atribuídos ao "espírito Humberto de Campos", permitem a supremacia social do "espiritismo" brasileiro.

Mas como essa supremacia existe, se o "espiritismo" só é representado por 2% da população brasileira? Simples. É porque, diferente de outras religiões, como o Catolicismo e as seitas evangélicas neopentecostais, os escândalos dos "espíritas" são acobertados ou, se ocorrem, são abafados, garantindo uma impunidade que nem os alinhados ao poder, como o católico Gabriel Chalita e os neopentecostais Silas Malafaia e Marco Feliciano, possuem.

A impunidade "espírita" faz com que esta religião, diante da desinformação generalizada cultivada pela grande mídia, se torne o exílio de pessoas sem profundidade intelectual. Donas-de-casa que acham que podem entender de Ciência e Filosofia, e há até casos como o do "médium" Nelson Moraes que montou um tal de "Zílio" se baseando em um Raul Seixas caricato que viu no Fantástico e revistas como Contigo, não necessariamente especializados em rock brasileiro.

O próprio Chico Xavier é empurrado ao falso vínculo de virtudes diversas: psicólogo, filósofo, cientista, cientista político, profeta, jornalista, intelectual etc etc etc. A "profecia da data-limite", com suas falhas de abordagem geológica e sociológica (propõe, por exemplo, que eslavos possam migrar para o litoral nordestino, quando a História registra que os primeiros eslavos a povoar terras brasileiras procuraram os Estados do Sul), também é um exemplo desse pedantismo pretensamente científico dos "espíritas".

Divaldo Franco, com sua verborragia não muito diferente da de um político demagogo do interior do Brasil, também é classificado como "professor", "cientista" e "filósofo" por seus fanáticos seguidores, por conta de estereótipos que remetem ao professor das décadas de 1930 e 1940, pretenso "dono do saber" em épocas em que as relações entre alunos e professores são bastante hierarquizadas.

E isso quando o "filósofo" Divaldo aposta numa tese absurda como a das "crianças-índigo" inventada por um casal norte-americano visando ganhar dinheiro com misticismo barato e que, com tanta ganância pelo sucesso da farsa, acabou se divorciando. Ver que uma fraude dessas é corroborada por Divaldo e pelos "espíritas" na esperança de encontrar um "menino Jesus" no "movimento espírita" é algo que revela, isso sim, falta de sabedoria e muita cara-de-pau.

O "espiritismo" reflete um país de compreensão parcial e tendenciosa das coisas, quando pessoas se acham "inteligentes" por nada e supostos especialistas possuem um desempenho em suas áreas que vai do medíocre para baixo. O "espiritismo" é o reflexo dos vícios que existem no Brasil, que por esse contraste entre pretensa sabedoria e ignorância profunda não consegue sair do atoleiro social que garante sempre o triunfo dos valores retrógrados e dos privilegiados abusivos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

Anti-esquerdismo "espírita" vai contra proposta da caridade

O "Espiritismo" brasileiro é cheio de contradições, graças a sua recusa em raciocinar e analisar tudo que chega aos seu redor. Abraçou a fé cega e a bondade estereotipada e se limita a fazer caridade paliativa, aquela que serve de mera compensação para que os necessitados se mantenham em suas condições humilhantes. 
Agora, os "espíritas" (de Chico Xavier) e os espíritas (de Allan Kardec) encanaram de aderir ao sádico ódio fascista anti-esquerda. Criminalizaram os movimentos sociais, a personalidades de esquerda e glorificaram o excludente Capitalismo, se baseando na tolice da meritocracia e descartando de uma vez por todas a acridade mencionada por Allan Kardec, um socialista, em suas obras.
Só o direitismo assumido pelo "Espiritismo" brasileiro jé envolve um festival de contradições que poderão implodir a doutrina no Brasil, que já é muito fraca em outros países. Ela entra em violento choque com a finalidade original da doutrina, que é a caridade, além …

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…