Pular para o conteúdo principal

Canonização de Madre Teresa tem objetivos de atrair e manter fiéis para Igreja Católica

Madre Teresa de Calcutá é admirada por muita gente. Muito mais pelo que ela representa do que pelo que ela fez. Religiosos não usam a razão e sim a fé para decidir se alguma coisa é válida ou não. E uma velhinha frágil vestida de freira e membro de uma igreja nunca poderia ser cruel, certo? Errado!

Coerente com a religião cuja obra, a Bíblia, legitima atrocidades em nome da religião e também com a Teologia do Sofrimento, ideia lançada na Idade Média (mas difundida mais tarde por Teresa de Lisieux) que defende que a felicidade só pode ser alcançada pelo sofrimento (ideia que influenciou a meritocracia capitalista), Madre Teresa nunca foi exatamente uma boa pessoa, apenas se encaixando com perfeição aos estereótipos tradicionais atribuídos à "bondade".

Seu tutelados eram hospedados em condições indignas, dormindo em valões fétidos, misturados com portadores de doenças contagiosa, lavados com água não-potável e sendo tratados com remédios fora do prazo por seringas reutilizadas. Mas Madre Teresa, entusiasta da Teologia do Sofrimento, não se importava, pois fazer os outros sofrer, para ela, era como acelerar a "salvação" de seus tutelados.

Na verdade, o mito de que a Madre Teresa era bondosa (chegando a ser  ela própria um estigma de "bondade máxima") foi construído por um jornalista católico Malcolm Muggeridge, que realizou um documentário Algo bonito para Deus, que construiu uma imagem positiva da madre que largava seus tutelados em condições sub-humanas para ir viajar em aviões de luxo com autoridades corruptas e autoritárias que supostamente ajudavam a madre, que desviava dinheiro para o Vaticano. 

Este desvio de dinheiro para o Vaticano tem muito a ver com a canonização ocorrida no último domingo, pois é uma boa forma de gratidão a madre que preferiu ajudar sacerdotes riquíssimos do que pobres jogados em uma vala. 

Além de forma de gratidão, a canonização é uma forma da Igreja Católica, que não cessa de perder fiéis para outras seitas e até para o sensato ateísmo, de atrair de volta os velhos fiéis e trazer novos, pois o aumento na quantidade de fiéis é interessante tanto a nível de influência, como também a nível financeiro. O documentário de Muggeridge "consagrou" a madre, que hoje é muito popular e admirada por muitas pessoas que preferem ignorar sua triste verdade. 

Como estão cegas pelo estereótipo da madre, muitos acreditam que documentários que revelam a verdade sobre a nova santa, como Anjo do Inferno, do jornalista ateu e socialista inglês Christopher Hitchens, são "mentiras para abalar o prestígio da madre". Eu vi o documentário e não há nenhum truque ou manipulação para denegrir a madre. Infelizmente, a cruel negligência da madre é verdadeira.

Sabe-se que o dinheiro recebido supostamente para ajuda dos projetos da madre nunca chegou aos mesmos. As famílias dos tutelado abandonados pela madre "bondosa" devem estar muito tristes com esta canonização. Uma verdadeira comprovação de que as religiões não tem compromisso com a bondade e sim com a manutenção de mitos a comover multidões.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

Anti-esquerdismo "espírita" vai contra proposta da caridade

O "Espiritismo" brasileiro é cheio de contradições, graças a sua recusa em raciocinar e analisar tudo que chega aos seu redor. Abraçou a fé cega e a bondade estereotipada e se limita a fazer caridade paliativa, aquela que serve de mera compensação para que os necessitados se mantenham em suas condições humilhantes. 
Agora, os "espíritas" (de Chico Xavier) e os espíritas (de Allan Kardec) encanaram de aderir ao sádico ódio fascista anti-esquerda. Criminalizaram os movimentos sociais, a personalidades de esquerda e glorificaram o excludente Capitalismo, se baseando na tolice da meritocracia e descartando de uma vez por todas a acridade mencionada por Allan Kardec, um socialista, em suas obras.
Só o direitismo assumido pelo "Espiritismo" brasileiro jé envolve um festival de contradições que poderão implodir a doutrina no Brasil, que já é muito fraca em outros países. Ela entra em violento choque com a finalidade original da doutrina, que é a caridade, além …

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…