Pular para o conteúdo principal

"Espíritas" brasileiros odeiam suicidas

Nas últimas semanas perdemos dois grandes nomes da comédia, Fausto Fanti (do grupo humorístico Hermes & Renato e da banda Massacration) e o consagrado Robin Williams. Apesar de trem vivido para fazer as pessoas sorrirem, eram depressivos em suas vidas particulares e encontraram um estopim para praticarem o suicídio.

Muita gente ficou muito triste com a morte desses dois talentos, pois eram caras que nos traziam a alegria e de certa forma a esperança. Uma esperança que, ninguém sabe ou poderá saber, não fazia parte da vida dos mesmos talentosos comediantes.

Mas uma turminha se prepara para exorcizar Williams e Fanti, se mantendo alheios a comoção pela perda de grandes nomes da comédia. Os espiritólicos, aquela gangue chata que despreza Allan Kardec e que pensa que o tolo Chico Xavier é um imaculado "anjo" enviado direto de Deus e condutor inquestionável de suas vidas, certamente estão tratando os dois comediantes de bandido para baixo. Explicação: espiritólicos odeiam suicidas.

Os espiritólicos, adeptos da fé cega que se utilizam do nome da ciência só para autenticar as bobagens que eles insistem em acreditar e defender, interpretaram mal as notas que mostram que suicídios são desvantajosos para transformá-lo no mais cruel dos "crimes contra a justiça divina". Espiritólicos não conseguem aceitar o suicídio como um ato de desespero extremo e preferem ignorar todo o sofrimento passado por quem toma uma atitude extrema como essa.

Até porque os espiritólicos - lá vem mais bobagem - acreditam que o sofrimento em si purifica, ignorando que não é o sofrimento que eleva e sim a iniciativa em sair do sofrimento. Sofrer não é nada agradável e muito menos produtivo e a história da humanidade provou que é justamente a tentativa de sair dos problemas que tema alavancado a evolução da sociedade. permanecer no sofrimento acreditando que sofrer eleva e uma ignorância sem tamanho e sinal claro de preguiça e acomodação.

Não sou a favor de suicídios. Mas respeito muito os suicidas. Apesar de não ser uma boa solução para problemas (não é solução para coisa nenhuma, aliás), o suicida tem os seus motivos. É alguém que no desespero extremo não conseguiu refletir sobre alguma solução para o problema sofrido. Não devemos aprovar o suicídio, mas respeitar os suicidas.

E sem essa de "vale dos suicidas", uma espécie de aterro sanitário "espiritual" onde supostamente irão todos os que decidem encerrar suas vidas com as próprias mãos. O sofrimento do suicida é puramente psicológico e resulta do arrependimento de ter jogado fora uma oportunidade única para se evoluir.

Criminalizar o suicídio, como fazem os discípulos e devotos do tolo Chico Xavier, é uma falta de caridade bastante cruel e a incompreensão tipicamente egoísta do sofrimento passado por que decide se matar, sofrimento muitas vezes ausente na vida de quem crítica ou condena os suicidas.

Respeitemos os suicidas. Isso não representa nenhuma apologia ao suicídio, que é sempre um erro. Mas respeitar os suicidas é uma prova de amor e compreensão humana. Não sabemos se um dia encararemos uma situação de extrema gravidade como a que estimulou a infeliz resolução. Aguardaremos e vejamos se quando os problemas extremos começarem a aparecer, se somos capazes de resistir a uma decisão tão cruel. 

É fácil condenar suicidas quando tudo está bem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

Anti-esquerdismo "espírita" vai contra proposta da caridade

O "Espiritismo" brasileiro é cheio de contradições, graças a sua recusa em raciocinar e analisar tudo que chega aos seu redor. Abraçou a fé cega e a bondade estereotipada e se limita a fazer caridade paliativa, aquela que serve de mera compensação para que os necessitados se mantenham em suas condições humilhantes. 
Agora, os "espíritas" (de Chico Xavier) e os espíritas (de Allan Kardec) encanaram de aderir ao sádico ódio fascista anti-esquerda. Criminalizaram os movimentos sociais, a personalidades de esquerda e glorificaram o excludente Capitalismo, se baseando na tolice da meritocracia e descartando de uma vez por todas a acridade mencionada por Allan Kardec, um socialista, em suas obras.
Só o direitismo assumido pelo "Espiritismo" brasileiro jé envolve um festival de contradições que poderão implodir a doutrina no Brasil, que já é muito fraca em outros países. Ela entra em violento choque com a finalidade original da doutrina, que é a caridade, além …

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…