Pular para o conteúdo principal

Agora os espiritólicos extrapolaram! Lançado o joguinho do Chico Xavier! E com erros doutrinários!!!


O Espiritolicismo, a forma deturpada do Espiritismo que é famosa no Brasil, cheinha de estranhos enxertos dos mais variados tipos, nunca desiste de atacar. E desta vez, resolveram enganar ainda mais as crianças que, guiadas pelos seus pais espiritólicos, pensam estar seguindo a Doutrina Espírita, quando na verdade tem que engolir um monte de absurdos. 

Isso é resultado da falta de um estudo mais aprofundado do Livro dos Médiuns de Allan Kardec, que em apenas um de seus parágrafos, derruba Chico, Divaldo, Bezerra, seus "mentores" e todos os dogmas difundidos por estes deturpadores.

Se não bastasse a aberração conhecida como "evangelização infantil" (na verdade um catequismo com reencarnação que mais confunde do que educa), "sabe-se lá quem" lançou um joguinho para celular com a figura de Chico Xavier, ambientado em Nosso Lar, o céu com cara de shopping center que os espiritólicos pretendem morar após a morte. A meta do jogo é evitar ir para o "umbral", que na verdade é o velho inferno católico, com outro nome. O slogan publicitário o define como "primeiro videogame espírita". Espírita? Tenha dó!

Coitadas das crianças que aprenderão tudo errado de maneira mais sedutora e divertida, já que o enredo do jogo é claramente o oposto do que a doutrina de fato recomenda. Se o propósito é tentar "educar" as crianças, o tiro saiu pela culatra. Chico Xavier nunca foi espírita, não entendeu a doutrina, mas virou o principal produto da Federação Roustainguista Brasileira (FEB), um meio de ganhar muito dinheiro e emperrar a evolução intelectual por meio da difusão de ilusões e muitos erros.

Este joguinho é lastimável e uma desrespeitosa asneira. Prova de que no Brasil, aquilo que muitos conhecem como "Espiritismo" virou uma palhaçada sem limites.

Ok, qual será a próxima tolice?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Divaldo Franco não apoia só a Operação Lava Jato. Apoia um Tribunal de Exceção!

As esquerdas se comportam como aquele loser que, só porque a moça mais desejada da escola se dirigiu a ele para dar bom dia, ele acha que ela está apaixonada por ele. Em certos aspectos, chega a sentir fascínio por aqueles que, em verdade, abominam o esquerdismo e só o usam para atender seus interesses por conveniência.
O "funk" e o "espiritismo" são esses exemplos. Os dois são fenômenos blindados pelas Organizações Globo e voltados a perspectivas conservadoras de abordagem social. Apostam na visão paternalista de assistência ao povo pobre, glamourizam a miséria de forma a permitir que as classes pobres vivam razoavelmente sem no entanto romper com sua situação inferiorizada na hierarquia social. Apesar disso, as esquerdas se comportam, em relação a esses dois fenômenos, como aquele loser apaixonado por aquela "mina" que nunca dá bola a ele.
Dessa maneira, os "espíritas" agem também como aquele marido traído - uma espécie de loser que "deu …

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…