Pular para o conteúdo principal

Cuidado com o outro extremo!

Um grupo de pessoas vem trabalhando incessantemente na tentativa de devolver o caráter científico à Doutrina Espírita, tão esquecido em nosso país, substituído por uma pieguice mística que atrapalha toda a compreensão das lições de Kardec. Louvável essa iniciativa.

Mas parte deste grupo, vem demonstrando a adoção de uma atitude do tipo "oito ou oitenta", achando que para livrar da pieguice, deve se eliminar o caráter emotivo e religioso da doutrina, hermetificando como se o Espiritismo fosse feito de chumbo. São indivíduos que usando a insensibilidade e - pasmem! - o egoísmo, acabam estragando a doutrina tanto quanto os piegas místicos. Não dá para ter equilíbrio, não?

Essa turma portadora de corações de chumbo chega, às vezes a desdenhar a caridade, se esquecendo que este é pilar mais importante da doutrina codificada por Kardec. E não sou eu que digo isso e sim o próprio Kardec, que transformou em lema a frase "Fora da caridade não há salvação".

Nesta semana tive uma discussão feia (mais uma...) com alguns membros de uma comunidade que recuperava o teor científico do Espiritismo que defenderam o Capitalismo. Não vou entrar em detalhes, mas não é preciso ser cientista e nem irmã de caridade para saber que o Capitalismo é, por suas próprias regras, um sistema excludente, humilhante, cruel, corrupto, injusto e bastante enganador, onde a vida de empresas é mais importante que a vida de seres humanos e o (excessivo) lucro financeiro é sempre o objetivo final. Ou seja, o oposto da caridade kardeciana. Cadê a coerência dessa gente, metida a ser tão racional?

Creio que o excesso de racionalismo, talvez por revolta ao excesso de pieguice dos espiritólicos, tenha secado o coração dessa gente que, no desespero, quis tirar de Kardec a tão mencionada caridade, base importante da Doutrina Espírita. Se esquecem que Kardec era emotivo, alegre, que era casado, que sofreu no fim da vida abandonado por quem não entendeu a nova doutrina que codificara e que falou em Lei de Amor em várias vezes em suas obras! Espiritismo não é pieguice, mas também não é insensibilidade. Dá para ser científico amando as outras pessoas.

Até porque a ciência de Kardec era humana. Kardec não ficava trancado em laboratórios misturando líquidos em tubos de ensaio. Seus instrumentos de trabalho eram as pessoas, médiuns, observadores, estudiosos e pessoas que serviam de contato para todos estes. Aliás, Kardec era um educador, e seu objeto de pesquisa eram as pessoas. Não dá para ser insensível trabalhando desta maneira!

Por isso mesmo digo que vamos sim, tirar toda a fantasia infantil que enxertaram no Espiritismo brasileiro, importado de outras crenças, nada científicas. Mas vamos manter a emotividade, o amor ao próximo, a alegria e o prazer de ver no outro alguém que merece a felicidade, através de um mundo mais justo e caridoso, onde um simples bom dia dado no elevador consegue mudar o destino de quem ouve.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

Anti-esquerdismo "espírita" vai contra proposta da caridade

O "Espiritismo" brasileiro é cheio de contradições, graças a sua recusa em raciocinar e analisar tudo que chega aos seu redor. Abraçou a fé cega e a bondade estereotipada e se limita a fazer caridade paliativa, aquela que serve de mera compensação para que os necessitados se mantenham em suas condições humilhantes. 
Agora, os "espíritas" (de Chico Xavier) e os espíritas (de Allan Kardec) encanaram de aderir ao sádico ódio fascista anti-esquerda. Criminalizaram os movimentos sociais, a personalidades de esquerda e glorificaram o excludente Capitalismo, se baseando na tolice da meritocracia e descartando de uma vez por todas a acridade mencionada por Allan Kardec, um socialista, em suas obras.
Só o direitismo assumido pelo "Espiritismo" brasileiro jé envolve um festival de contradições que poderão implodir a doutrina no Brasil, que já é muito fraca em outros países. Ela entra em violento choque com a finalidade original da doutrina, que é a caridade, além …

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…