Pular para o conteúdo principal

Com Brasil em crise e governo confuso, "Espiritismo" vive no "Mundo da Lua"

Herculano Pires, o mais fiel tradutor das ideias de Allan Kardec no Brasil, havia definido o "Espiritismo" pirata praticado no Brasil como "Seita de Papalvos". Papalvo foi uma palavra utilizada para não soar ofensiva, mas quem for ao dicionário vai perceber que significa "otário". E a cada dia que passa, o "Espiritismo" brasileiro age como uma seita de otários.

E eis que vivemos numa época mais que difícil, numa crise forjada pelo poder econômico para servir de chantagem a pressionar os políticos para que ajam em favor das elites que sustentam o país. Crise que serviu para tirar uma presidente honesta do poder para colocar uma cambada de corruptos no lugar, só porque a ideologia defendida pela presidente e seu partido não agradava a boa parte da elite e de seus fã-clubes capitalista e fascista.

Mas para os "espíritas" brasileiros, está tudo muito bom, está tudo muito bem, mas realmente eles preferem ficar longe disso tudo, esperando que orações e caridade paliativa compensem os problemas da sociedade abandonada pelo "novo" governo, instalado através de um golpe não-estereotipado, mas explícito, que legisla apenas a favor das elites.

Os "espíritas" agem como se nada de diferente estivesse acontecendo no país. Metidos a científicos, agem como irracionais sonhando com um mundo de conto de fadas. Devem estar achando que Chico Xavier virá voando salvar todos da crise, se esquecendo que ele reencarnou para pagar pelas mentiras que espalhou em suas obras e declarações. Quem encarna em planeta de provas e expiações nunca encerra a capacidade de reencarnar, seja neste ou em outro planeta.

Divaldo Franco, outra suposta "divindade encarnada" do "Espiritismo" brasileiro, considerado "filósofo" por muitos, deu uma solução simplória para superar a crise, algo incompartível com a fama de sábio que possui: ore. Justamente a mesma solução proposta por Silas Malafaia, líder da Assembleia de Deus frequentemente criticado pelos "espíritas" que na verdade quase nada oferecem de diferencial em relação aos pentecostais.

Jornais, revistas e periódicos "espíritas" se limitam ou a ignorar a crise ou a propor soluções simplórias, passando um xeque-mate na fama de "doutrina racional" que os "espíritas" insistem em fingir que seguir.

Na verdade as religiões não estão muito preocupadas com os rumos do país. Com exceção de setores progressistas da Igreja Católica, as outras religiões ou acreditam que tudo vai se resolver "divinamente" através de orações ou que tudo está resolvido (este o caso da bancada evangélica, intensamente participante do governo recém-instalado). Supostos "rivais" dos pentecostais, os "espíritas", acostumados a puxar o saco dos governos vigentes, se mantém em silêncio, embora fique subentendida a afinidade ideológica a respeito de política com as posturas da bancada evangélica.

Uma seita que apoiou a ditadura, esteve na fascista Marcha da Família com Deus pela Liberdade (sic) e cujo maior líder, Francisco Cândido "Chico" Xavier, disse que os torturadores estava construindo um "Reino de Amor", não é surpresa que "espíritas" estejam tranquilos com o golpe e com as consequências funestas que eliminarão muitos direitos essenciais, que já eram poucos, da população carente. 

Para os "espíritas", basta a fé cega (que eles chamam de "raciocinada"), orações (meros placebos em forma de palavras) e ações de caridade puramente paliativa como sopinhas aguadas e agasalhos rasgados. Desta forma que os discípulos de Chico Xavier, o "deus" máximo dos papalvos, acham que o Brasil vai cumprir a falsa profecia de ser o "Coração do Mundo". 

Uma "potência mundial" com um bando de ladrões no poder legislando em prol de uma elite mais que abastada e uma população carente sem perspectivas de vida, obrigada a sorrir porque tem sopinha aguada, agasalho rasgado e palavras "sábias" de verdadeiros pilantras disfarçados de "mestres espíritas" que reencarnarão para pagar pelas mentiras que professam e pela negligência em deixar o Brasil piorar cada vez mais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

Anti-esquerdismo "espírita" vai contra proposta da caridade

O "Espiritismo" brasileiro é cheio de contradições, graças a sua recusa em raciocinar e analisar tudo que chega aos seu redor. Abraçou a fé cega e a bondade estereotipada e se limita a fazer caridade paliativa, aquela que serve de mera compensação para que os necessitados se mantenham em suas condições humilhantes. 
Agora, os "espíritas" (de Chico Xavier) e os espíritas (de Allan Kardec) encanaram de aderir ao sádico ódio fascista anti-esquerda. Criminalizaram os movimentos sociais, a personalidades de esquerda e glorificaram o excludente Capitalismo, se baseando na tolice da meritocracia e descartando de uma vez por todas a acridade mencionada por Allan Kardec, um socialista, em suas obras.
Só o direitismo assumido pelo "Espiritismo" brasileiro jé envolve um festival de contradições que poderão implodir a doutrina no Brasil, que já é muito fraca em outros países. Ela entra em violento choque com a finalidade original da doutrina, que é a caridade, além …

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…