Pular para o conteúdo principal

Música espírita é a mesma lenga-lenga do gospel

Como bom espírita, frequento os centros em busca de alguma palestra que me ensine a viver de maneira altruísta e conscientizada. Mas detesto quando alguém resolve "temperar" alguma palestra com musiquinha.

Argumentam que as músicas "preparam o ambiente". Só se for para o sono (uma cama, por favor!), pois é aquela mesma pasmaceira que vemos com os padres saltitantes e os crentes berrões. Só é mais calminha (sonolenta mesmo!).

Um dos maiores nomes da música espírita (que se auto-rotula com o pretensioso rótulo de "MPB astral") tem o meu nome: Marcelo Bacelar (se não bastasse o Crivela e o padreco carismático - Socorro! Roubaram meu nome!!!!). Até o axezeiro Tuca, da infame Jamill & Uma Noites (que nome tolo!), perambula de vez em quando no que eu prefiro chamar de gospel espírita. Tem outros que no momento não lembro, todos piegas e chatos.

Mas é de uma pieguice bem chata, daquelas que só agradam quem não leva a doutrina espírita a sério, tratando a como uma religião qualquer e desprezando o lado científico da mesma. Afinal, Kardec era um cientista e ele não iria participar da codificação de um engodo puramente sentimental.

Sinceramente, esses cantorezinhos e bandinhas de gospel espírita que vão às favas. Não preciso deles para minhas meditações. Durutti ColumnAndreas Vollenweider e Kitaro possuem ótimas músicas para meditação.

Ah, eu adoro canto gregoriano, apesar de não ser católico. Muito melhor para relaxar que esse engodo de "MPB Astral". Que esses espíritas cantantes vão erguer as mãos com o Padreco Rossi e construir templos com o Crivella que é melhor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Divaldo Franco não apoia só a Operação Lava Jato. Apoia um Tribunal de Exceção!

As esquerdas se comportam como aquele loser que, só porque a moça mais desejada da escola se dirigiu a ele para dar bom dia, ele acha que ela está apaixonada por ele. Em certos aspectos, chega a sentir fascínio por aqueles que, em verdade, abominam o esquerdismo e só o usam para atender seus interesses por conveniência.
O "funk" e o "espiritismo" são esses exemplos. Os dois são fenômenos blindados pelas Organizações Globo e voltados a perspectivas conservadoras de abordagem social. Apostam na visão paternalista de assistência ao povo pobre, glamourizam a miséria de forma a permitir que as classes pobres vivam razoavelmente sem no entanto romper com sua situação inferiorizada na hierarquia social. Apesar disso, as esquerdas se comportam, em relação a esses dois fenômenos, como aquele loser apaixonado por aquela "mina" que nunca dá bola a ele.
Dessa maneira, os "espíritas" agem também como aquele marido traído - uma espécie de loser que "deu …

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…