Pular para o conteúdo principal

Chico Xavier, filósofo? Pausa para as risadas!

Há uma turma que quer que Francisco Cândido Xavier, o "bondoso médium" que deturpou a Doutrina Espírita reduzindo-a a um engodo igrejeiro e medieval, seja "de tudo um pouco": filósofo, consultor sentimental, psicólogo, cientista, analista político, profeta etc etc etc.

Destaca-se, nos últimos meses, um grupinho composto por Geraldo Lemos Neto, Juliano Pozati e Laércio Fonseca (ver foto ao lado), que tentam criar uma "corrente" do "movimento espírita" no qual Chico Xavier - e, de carona, Divaldo Franco - é promovido a "cientista" e "filósofo".

Tudo por conta de uma suposta profecia que Chico Xavier teria dito a Geraldo. Até acreditamos que ela tenha sido descrita, porque os relatos de Geraldo coincidem com muitos escritos e depoimentos do "médium", não cremos que Geraldo queira enganar os seguidores de Chico Xavier e trazer para eles algo que o anti-médium mineiro não teria dito.

O engano está no conjunto todo da obra. A "profecia" de Chico Xavier, que mostra aspectos descritos em livros como Emmanuel e Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho, e em depoimentos dados à imprensa ou ao programa Pinga-Fogo, da TV Tupi de São Paulo, quer enganar mesmo é o pessoal "de fora", como os espíritas autênticos (honesta e rigorosamente aliados ao pensamento kardeciano), e os ateus e os esquerdistas que são seduzidos pelo "canto da sereia" chiquista, divaldista e bezerrista.

E aí vemos o grave caso da "filosofia da Data-Limite", uma aberração que nada tem de esclarecedora nem de comprometida com a verdade e o conhecimento. É o velho papo esotérico de confundir pensando que esclarecerá, inserindo fantasias ocultistas como se fossem segredos valiosos, e uma verborragia que apenas realiza um pastiche de filosofia, uma retórica vazia, uma embalagem nova e bonita de um presente velho que é devorado por cupins e traças.

Vejam só, por exemplo, o que é o roteiro da palestra de Laércio Fonseca sobre "problemas filosóficos" sobre a tal "Data-Limite" de Chico Xavier, a "profecia" do que seria o "novo mundo" daqui a três anos:

Questões Fundamentais
• Multidimensionalidade da Matéria
• Projetos Planetários
• A Primeira Fase do Projeto Terra
• Capela e a Civilização Atlante
• Colapso e Ascensão de Atlântida
• Era da Luz e a Era das Trevas
• Vestígios de um Futuro Próximo
• Nossa Jornada
• A Data Limite
• O que vai acontecer em 2019?
• O conhecimento liberta

Isso é um engodo pseudo-científico que se pretende supostamente esclarecedor. Mas é algo que se percebe ser uma combinação de esoterismo, pastiches de filosofia e delírios ufológicos. Um processo discursivo que mistura meias-verdades com ideias imprecisas, e cria certezas no incerto, forja pretensas verdades em algo que não se tem certeza que existe ou não.

E se temos como base a "profecia" de Chico Xavier, com aberrantes erros geológicos - ele acreditava que o Chile, integrante do Círculo de Fogo do Pacífico, não seria atingido pelas mesmas erupções vulcânicas e por abalos sísmicos que destruiriam áreas como Califórnia (EUA) e o Japão - e sociológicos - ele imaginava que eslavos iriam migrar para um calorento Nordeste brasileiro - , então é aí que não há filosofia mesmo nesse engodo.

Tudo isso é apenas complemento para a máquina de fazer dinheiro que Chico Xavier se transformou desde que virou o ídolo máximo da FEB e de seus editores, criando uma farsa "mediúnica" que sempre se distancia dos aspectos pessoais de cada falecido, e depois virou o "filantropo" preferido da Rede Globo de Televisão.

Tudo é feito para atrair dinheiro, embora todo um aparato de gratuidade seja feito para enganar as pessoas. Mas aí temos livros de Chico Xavier disponíveis de graça em PDF, filmes e documentários "espíritas" inteiros para download gratuito no YouTube, consultas grátis em "centros espíritas" e tudo o mais, porque a renda é feita através de workshops caríssimos e de todo um patrocínio arrancado dos grandes empresários da mídia e de outros investidores ambiciosos.

Afinal, o "espiritismo" é um Catolicismo à paisana, sem precisar vestir batina, revestir-se de ouro ou criar cerimônias, ritos ou o ritual cansativo do senta-e-levanta das missas. É, portanto, uma religião que manipula a fé das pessoas sem que elas tenham ideia dessa manipulação. Tanto que alguns tentam desmentir que é religião e teimam em dizer que é "filosofia".

Mas filosofia não é mesmo. Seja pela verborragia de Chico Xavier e Divaldo Franco e seus textos empolados, seja pelo esoterismo que sonha com discos voadores salvando a humanidade, seja pelo puxa-saquismo a Allan Kardec sem seguir direito seus conselhos, seja pelo mal-disfarçado moralismo igrejeiro, inclinado a louvar milagres.

O "espiritismo" brasileiro não é mais do que uma religião, das mais retrógradas. uma versão disfarçada do Catolicismo medieval português. Uma doutrina que recebeu a "mobília velha" que a própria Igreja Católica não quis mais e que mal consegue se travestir de "ciência", "filosofia" e "futurismo espiritualista", porque seu igrejismo é muito, muito evidente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

Anti-esquerdismo "espírita" vai contra proposta da caridade

O "Espiritismo" brasileiro é cheio de contradições, graças a sua recusa em raciocinar e analisar tudo que chega aos seu redor. Abraçou a fé cega e a bondade estereotipada e se limita a fazer caridade paliativa, aquela que serve de mera compensação para que os necessitados se mantenham em suas condições humilhantes. 
Agora, os "espíritas" (de Chico Xavier) e os espíritas (de Allan Kardec) encanaram de aderir ao sádico ódio fascista anti-esquerda. Criminalizaram os movimentos sociais, a personalidades de esquerda e glorificaram o excludente Capitalismo, se baseando na tolice da meritocracia e descartando de uma vez por todas a acridade mencionada por Allan Kardec, um socialista, em suas obras.
Só o direitismo assumido pelo "Espiritismo" brasileiro jé envolve um festival de contradições que poderão implodir a doutrina no Brasil, que já é muito fraca em outros países. Ela entra em violento choque com a finalidade original da doutrina, que é a caridade, além …

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…