Pular para o conteúdo principal

Uma mentira e muita gente a defendê-la

A teoria conspiratória que ganhou o nome de "Data Limite" e virou a principal "tábua de salvação" para o "Espiritismo" brasileiro. Essa doutrina deturpada cujos erros e contradições vem sido questionados nas redes sociais e em blogs especializados e por isso mesmo ameaçada de extinção. Os adeptos que lucram com as rolices difundidas pelo "Espiritismo" brasileiro precisavam fazer alguma coisa para salvar a Seita de Papalvos de acabar. 

E aí veio um relato de um sonho de Francisco Cândido Xavier, líder-mor dos papalvos. O sonho, que na verdade é baseado em um livro antigo  "psicografado" pelo médium, foi transformado de forma irresponsável em "profecia" por um ingênuo, Geraldo Lemos Neto. Tudo bem se fosse só ele e a teoria conspiratória lançada morresse na praia. 

Mas ela se agigantou e ganhou a adesão de muita gente. Imagine, um sonho banal, que poderia muito bem ser ignorado, ao ser transformado em profecia, acabou formando uma verdadeira quadrilha a trabalhar para o seu agigantamento, pois sabia que seria a melhor e criativa forma de canonizar um home tolo transformado em liderança maior de um bando de pessoas mais tolas que ele.

A adesão de um grande numero de pessoas a criminosamente trabalhar esta farsa, gastando dinheiro, formando equipes de profissionais que deveriam estar trabalhando em coisas mais honestas. Tudo para sustentar uma baita mentira inventada por um rapaz tolo de 19 anos que acreditou nos relatos de um velho meio maluco que é tratado como um semi-deus por boa parcela dos brasileiros.

É uma irresponsabilidade grande saber que para sustentar esta mentira, além de Geraldo Lemos Neto, Marlene Nobre, Fábio Medeiros, Juliano Pozati, Rebeca Casagrande e uma legião de trabalhadores anônimos se empenhando em legitimar e difundir uma baita mentira surgida de um sonho infantil, na tentativa desesperada de canonizar um médium tolo. Uma verdadeira quadrilha a difundir desonestamente uma tolice que vai contra a doutrina que essa horda de enganadores insiste em fingir professar.

É revoltante ver gente que poderia estra em um trabalho mais honesto, em benefício da humanidade, estar envolvida na construção de uma mentira tao safada e sem vergonha. Os nomes citados integram uma verdadeira quadrilha muito mal intencionada a enganar multidões de brasileiros vendendo tolice como descoberta cientifica, que nem mesmo a doutrina original codificada na França é capaz de aprovar.

Porque livros como A Gênese e o Livro dos Médiuns, ambos de Allan Kardec, dão uma coronhada mortal na nuca de Chico Xavier, o maior farsante que esteve no Brasil e que até hoje, mesmo depois de morto, segue enganando multidões de ingênuos numa mitologia construída a base de muitas mentiras, infelizmente sustentadas por uma gigantesca equipe empenhada a levar a farsa adiante em prol dos interesses mesquinhos resultantes da fé cega em um líder ao mesmo tempo tolo e enganador.

Não consigo entender como uma mentirinha infantil pode ser levada tão a sério a ponto de fazer muita gente lutar para sustentá-la. Sinal de que estamos muito longe da evolução espiritual. Tolos guiando tolos vendendo uma verdadeira tolice.

Ainda bem que fora do meio "espírita" ninguém dá ouvidos a essa papalvada, facilmente desmascarada por um estudo sério feito por pessoas realmente responsáveis.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Divaldo Franco não apoia só a Operação Lava Jato. Apoia um Tribunal de Exceção!

As esquerdas se comportam como aquele loser que, só porque a moça mais desejada da escola se dirigiu a ele para dar bom dia, ele acha que ela está apaixonada por ele. Em certos aspectos, chega a sentir fascínio por aqueles que, em verdade, abominam o esquerdismo e só o usam para atender seus interesses por conveniência.
O "funk" e o "espiritismo" são esses exemplos. Os dois são fenômenos blindados pelas Organizações Globo e voltados a perspectivas conservadoras de abordagem social. Apostam na visão paternalista de assistência ao povo pobre, glamourizam a miséria de forma a permitir que as classes pobres vivam razoavelmente sem no entanto romper com sua situação inferiorizada na hierarquia social. Apesar disso, as esquerdas se comportam, em relação a esses dois fenômenos, como aquele loser apaixonado por aquela "mina" que nunca dá bola a ele.
Dessa maneira, os "espíritas" agem também como aquele marido traído - uma espécie de loser que "deu …

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…