Pular para o conteúdo principal

Principais defeitos do "Espiritismo" brasileiro

Está mais do que na hora dos deturpadores do "Espiritismo" brasileiro reverem seus dogmas ou se calarem para sempre. Estamos cansados de ouvir associadas a doutrina de Allan Kardec muitos erros e absurdos que contradizem as obras da codificação. 

Indispostos a assumir publicamente seu roustainguismo e mudar o nome de sua doutrina, os "espíritas" brasileiros seguem difundindo seus erros, mas aos poucos vão perdendo adeptos pois a lógica prova que quem estuda e verifica, fecha seus ouvidos à deturpação. Apenas os mais tolos seguem seguindo seus mestres num debate vazio sobre família, amor, paz, caridade e esperança, sempre com a repetição inútil de palavras piegas, redundantes e sem sentido.

Listo aqui os defeitos do "Espiritismo" brasileiro que provam que é urgente abandonar esta canoa furada e esquecer de vez os "mestres" da deturpação que além de nunca terem entendido a doutrina, cometem a desonestidade de levar os erros adiante, sem admitir os erros que insistem em cometer.

Os erros dos "espíritas"brasileiros, enumerados abaixo:

- Se assumem como uma seita religiosa pretensamente racional e como tal adotam a fé cega, rotulada de "raciocinada";

- Absorvem como enxerto cerca de 85% dos dogmas católicos, apesar de fingirem ser de uma doutrina diferente da igreja dos padres. Com isso atraem muitos espíritos de padres e freiras a deturpar todo o repertório dogmático;

- Transformam suas lideranças em divindades;

- Bajulam Allan Kardec sem estudar detalhadamente a doutrina fundada por ele;

- Consideram que Kardec teve "inspiração divina" e estava realizando uma "missão" ao fazer os trabalhos de codificação quando na verdade apenas se interessou pelo tema e resolveu estudá-lo, como qualquer cientista e pesquisador;

- Ignoram Jean Baptiste Roustaing, mas defendem suas ideias inspiradas no Catolicismo, traduzidas com perfeição por Chico Xavier em suas obras supostamente psicografadas;

- Desprezam estudos sérios sobre o mundo espiritual, preferindo enfatizar o moralismo cristão em suas atividades;

- Lançam e difundem psicografias com mensagens padronizadas que falam de moralismo cristão e narram  o mundo espiritual cm uma igreja, independente do espírito atribuído, cujas características de personalidade e de criação de obras são frequentemente ignoradas;

- Fazem caridade paliativa, demonstrando total incompetência na eliminação de problemas e na transformação positiva da humanidade;

- Tratam a intelectualidade como algo supérfluo e enfatizam apenas o moralismo piegas. Consideram que a intelectualidade depende da bondade quando a lógica e o bom senso provam ser o contrário;

- Apesar de desprezar aspectos intelectuais, gostam de usar a ciência apenas como "cartório" para autenticar os dogmas absurdos em que acreditam;

- Acreditam num mundo espiritual com características do mundo material;

- Possuem muitas contradições em seu repertório dogmático; Palestras são baseadas em suposições e muitas lideranças vivem difundindo ideias opostas entre si, gerando confusão;

- Acreditam que o esperanto será o idioma mundial, quando a realidade prática mostra que o inglês é que tem esta responsabilidade. A associação com a religião acabou transformando o esperanto em um idioma risível e sem prestígio;

- Pensam que espíritos superiores habitam a Terra como "missionários" quando na verdade todos os habitantes materiais e espirituais pertencem a mesma ordem inferior (com variações de subnível) de espíritos;

- Defendem ideias tolas como crianças índigo, cristais e similares, comprovadamente impossíveis de se realizar. Se nascem crianças um pouco mais evoluídas, é caso raro e não faz parte de uma "missão";

- Se assumem cristãos (no sentido católico) e cultuam Cristo e Maria como se fossem espíritos puros (é impossível a encarnação de espíritos puros em um planeta de provas e de expiações) e adotam a Bíblia e o Novo Testamento, escritos ha mais de 2000 anos, como guia da sobrevivência cotidiana atual;

- Se acham melhores que as outras religiões por causa da suposta racionalidade. Racionalidade que nunca é observada na prática;

- Pensam que todas es pessoas serão "espíritas" acreditando nas tolices, absurdos e contradições difundidas pela deturpada doutrina.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

Anti-esquerdismo "espírita" vai contra proposta da caridade

O "Espiritismo" brasileiro é cheio de contradições, graças a sua recusa em raciocinar e analisar tudo que chega aos seu redor. Abraçou a fé cega e a bondade estereotipada e se limita a fazer caridade paliativa, aquela que serve de mera compensação para que os necessitados se mantenham em suas condições humilhantes. 
Agora, os "espíritas" (de Chico Xavier) e os espíritas (de Allan Kardec) encanaram de aderir ao sádico ódio fascista anti-esquerda. Criminalizaram os movimentos sociais, a personalidades de esquerda e glorificaram o excludente Capitalismo, se baseando na tolice da meritocracia e descartando de uma vez por todas a acridade mencionada por Allan Kardec, um socialista, em suas obras.
Só o direitismo assumido pelo "Espiritismo" brasileiro jé envolve um festival de contradições que poderão implodir a doutrina no Brasil, que já é muito fraca em outros países. Ela entra em violento choque com a finalidade original da doutrina, que é a caridade, além …

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…