Pular para o conteúdo principal

Como "funcionam" os "tratamentos espirituais"

Problemas existem por causa de nossas imperfeições. Mas ao invés de encararmos o desafio de resolvê-los, para desenvolver nossas aptidões, preferimos a preguiçosa iniciativa de pedir para que forças do além resolvam para nós. Um cacoete muito comum das religiões, onde Deus é transformado em Servo da humanidade (ué, os servos de Deus não éramos nós?), adiando essa grande oportunidade de crescimento espiritual.

Mas espíritos inferiores, disfarçados de superiores, adoram isso. É uma excelente oportunidade de sugar a energia de encarnados, já que esses espíritos, apesar de não terem o corpo, mantém os anseios materialistas, necessitando de alguém vivo para satisfazer seus desejos.

Tratamentos espirituais não deveria existir, mas existem. E podem ser nocivos, no caso do Espiritolicismo, essa versão imbecil da Doutrina Espírita, sincrética, mística, materialista e enganadora, que tem feito a alegria de dirigentes, médiuns, palestrantes e até de espíritos inferiores, emperrando de uma vez por todas qualquer tentativa de evolução espiritual, sobretudo a intelectual.

Não quero dizer que não exista auxílio espiritual. Existe o bom auxílio sim, mas longe da maioria dos centros espíritas que se propõem para tal. Normalmente, ele não é dado desta forma, além de que é indispensável o entendimento detalhado das obras de Allan Kardec, para a sua correta execução. Mas o que chamam de "tratamento espiritual", nada tem a ver com isso, tendo muito mais semelhanças com o que já é feito nas igrejas pentecostais, como a Universal.

Como se dá o "tratamento espiritual"?

Eu falei que os "tratamentos", altamente ritualísticos e quase materialistas (tratamento de doenças materiais), servem mais para satisfazer os anseios de espíritos inferiores, que dependem de encarnados para absorver energia fluídica.

Se dá da seguinte maneira: uma pessoa que tem um problema, procura um "centro espírita" para se tratar. O primeiro tratamento dá certo, para que a pessoa tratada perceba a eficiência do procedimento. Mais tarde, o problema volta ou outro problema aparece. A pessoa, vendo o "sucesso" do tratamento, retorna. E um ciclo vicioso começa a acontecer, para manter a pessoa vinculada aos espíritos que participam do processo.

Esse vínculo é importante para os espíritos materialistas, pois transforma a pessoa tratada em uma espécie de escrevo de suas vontades. Com o tempo, a pessoa vai acumulando problemas e mais problemas, apesar de quase nunca morrer (só em casos raros e bem específicos), já que ele precisa estar vivo para ser sugado pelos vampiros do além.

Isso é muito ruim, pois a vida da pessoa só vai piorando, servindo de "tiro pela culatra" em relação ao objetivo original de se livrar de um problema.

Não é melhor esquecer a influência nefasta dessa pirataria doutrinária e procurar resolver os problemas por conta própria? Espiritismo, só o de Kardec e ele é que poderá servir de apoio real para que com a sua valiosa lição, possamos resolver com muito mais facilidade e eficiência os problemas cotidianos, sem a intervenção de entidades não-confiáveis.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

Anti-esquerdismo "espírita" vai contra proposta da caridade

O "Espiritismo" brasileiro é cheio de contradições, graças a sua recusa em raciocinar e analisar tudo que chega aos seu redor. Abraçou a fé cega e a bondade estereotipada e se limita a fazer caridade paliativa, aquela que serve de mera compensação para que os necessitados se mantenham em suas condições humilhantes. 
Agora, os "espíritas" (de Chico Xavier) e os espíritas (de Allan Kardec) encanaram de aderir ao sádico ódio fascista anti-esquerda. Criminalizaram os movimentos sociais, a personalidades de esquerda e glorificaram o excludente Capitalismo, se baseando na tolice da meritocracia e descartando de uma vez por todas a acridade mencionada por Allan Kardec, um socialista, em suas obras.
Só o direitismo assumido pelo "Espiritismo" brasileiro jé envolve um festival de contradições que poderão implodir a doutrina no Brasil, que já é muito fraca em outros países. Ela entra em violento choque com a finalidade original da doutrina, que é a caridade, além …

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…