Pular para o conteúdo principal

Brasil, purgatório do mundo

É confortável para os brasileiros acreditar que o nosso país é um paraíso, um lugar perfeito, tranquilo e sem grandes catástrofes. Mas é uma imagem falsa, fora da realidade em que vivemos e que só serve para manter-nos iludidos e acomodados.

Para muitos espíritas, sobretudo os iniciantes e/ou dogmáticos, é uma - falsa - honra acreditar ser o nosso país a "terra escolhida", "pátria do evangelho", como se fôssemos privilegiados na caminhada da suposta evolução. Evolução que não evolui nada.

Somente a ideia de "povo escolhido" é absurda, já que isso supõe que Deus escolheria filhos preferidos para serem tratados de melhor forma que os outros. É uma ideia que para mim está 100% descartada. Mais fácil dizer que somos o purgatório do mundo, lugar onde temos a oportunidade de rever nossas ideias através de várias limitações.

Mas a ideia de purgatório não parece outro tipo de escolha de Deus? Claro que não! Para entendermos isso, devemos usar a lógica, ignorar dogmatismos e observar o que acontece com as pessoas em nosso país e o que elas fazem com os valores intelectuais e emotivos que regem a nossa sociedade.

A sociedade brasileira demonstra uma característica bem favorável a ideia de purgatório, um lugar nem bom como os países desenvolvidos, nem mau com a África ou o Oriente Médio, sendo um território onde as oportunidades de reajuste pessoal se tornam adequadas a eliminação de defeitos e aquisição de qualidades.

A ideia de purgatório é justamente a ideia de um lugar de tratamento, de adaptação e reajuste. É uma espécia de escola, onde deparamos com situações que servem de desafios a nós, forçando a buscar soluções para os problemas que apresentam, ajudando a desenvolver qualidades úteis a evolução do espírito.

É um lugar longe de ser perfeito pois, se não temos as tragédias costumeiras de outros lugares, temos desafios bem peculiares para enfrentar.

Por isso que nascem muitos espíritos em reajusta por aqui, para uma verdadeira reciclagem intelecto/moral que soa como sofrimento para almas materialistas, mas como verdadeiro aprendizado para quem consegue enxergar longe da vida momentânea.

A ideia de que o Brasil é um paraíso é uma ilusão. Aqui encontramos um verdadeiro laboratório de reciclagem que, se por um lado favorece a estabilização de ideias consideradas retrógradas, por outro serve de estímulo ao combate dessas mesmas ideias, mesmo que haja a necessidade de alguma tensão para haja o combate dos pensamentos que possam impedir o desenvolvimento espiritual da sociedade brasileira.

Convém lembrar que a divisão territorial é obra puramente material, feita pelos seres humanos. O sentimento de patriotismo é apenas uma amor pela divisão territorial estabelecida pela humanidade. O orgulho pelas características típicas de nosso país é algo que deve desaparecer com a maturidade espiritual, quando percebermos que todos no universo somos um só e que a limitação de território é só um resquício do sentimento de egoísmo territorial que não está coerente com a consciência de que somos todos parte de uma mesma e única família de todo o universo.

Aproveitemos bem as oportunidades de reajuste no purgatório em que vivemos. Com a evolução do planeta, pode ser que muitas almas aqui encarnadas tenham que sair para que possa favorecer a evolução deste limite territorial que damos o nome de Brasil, possa acompanhar a evolução do resto do Globo Terrestre.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

Anti-esquerdismo "espírita" vai contra proposta da caridade

O "Espiritismo" brasileiro é cheio de contradições, graças a sua recusa em raciocinar e analisar tudo que chega aos seu redor. Abraçou a fé cega e a bondade estereotipada e se limita a fazer caridade paliativa, aquela que serve de mera compensação para que os necessitados se mantenham em suas condições humilhantes. 
Agora, os "espíritas" (de Chico Xavier) e os espíritas (de Allan Kardec) encanaram de aderir ao sádico ódio fascista anti-esquerda. Criminalizaram os movimentos sociais, a personalidades de esquerda e glorificaram o excludente Capitalismo, se baseando na tolice da meritocracia e descartando de uma vez por todas a acridade mencionada por Allan Kardec, um socialista, em suas obras.
Só o direitismo assumido pelo "Espiritismo" brasileiro jé envolve um festival de contradições que poderão implodir a doutrina no Brasil, que já é muito fraca em outros países. Ela entra em violento choque com a finalidade original da doutrina, que é a caridade, além …

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…