Pular para o conteúdo principal

O Deus antropomorfizado dos "espíritas" brasileiros

Embora neguem até o fim, os espiritólicos, como deveriam ser conhecidos os "espíritas" brasileiros, também acreditam, a sua maneira, no Deus antropomórfico. Se para os seguidores da FEB, Deus não se assemelha aos homens em corpo, se assemelha na alma. E isso é tão errado quanto acreditar no Deus-humano defendido pelas outras religiões.

Os espiritólicos acreditam que Deus é um espírito como nós, privilegiado, julgador, mandão e que apesar de dar a reencarnação como nova chance, não deixa de punir (o que vai contra a noção do "amor" infinito de Deus - "amor" vem entre aspas porque não sabemos como é de fato esse amor) e de escolher seus privilegiados favoritos (como por exemplo, no mito do "povo escolhido", os brasileiros, segundo os dogmas da FEB). Essa imagem divina foge completamente da lógica e do bom senso.

Ainda não sabemos como é Deus. E nem vamos saber tão cedo. Não que Deus não queira se mostrar, pelo contrário. Mas o problema é que Ele se encontra num estado que não temos condições de compreender. O que se sabe que humano, ele não é. Mais provável que seja um tipo de energia central, um tera-poderoso campo de força.

Os espíritos, conhecendo as limitações das pessoas na Terra, se limitaram a definir Deus como uma inteligência suprema e causa primária sobre todas as coisas, o que é uma excelente definição. E o mais legal é que quando Allan Kardec fez a pergunta preferiu usar a expressão "o que é Deus?", para deixar claro que além de não sabemos do que se trata, Kardec sugeria que sua condição e forma não poderia ser humana.

A existência da forma humana de Deus se deu ao mesmo tempo pela nossa limitação de compreensão do universo ao nosso redor e da necessidade instintiva de possuir um tutor, como nós conhecemos. A falta de referências e a nossa recusa em desenvolver o intelecto nos impede de entender coisas que estão muito além de nós. Ainda teremos muito o que aprender para tentar entender Deus ou coisa parecida, seja qual o nome tiver (Deus não tem nome, nós o chamamos assim).

Por enquanto acreditamos no Deus antropomórfico, seja encarnado ou não. Quando nos amadurecermos e aprendermos a caminhar com as nossas pernas, sem a necessidade de tutores, Deus ou a Força que "governa" este universo, poderá encontrar um modo de se mostrar a nós. Por enquanto, crianças que somos, acreditemos nas fantasias que nos iludem, mas também nos confortam.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

Anti-esquerdismo "espírita" vai contra proposta da caridade

O "Espiritismo" brasileiro é cheio de contradições, graças a sua recusa em raciocinar e analisar tudo que chega aos seu redor. Abraçou a fé cega e a bondade estereotipada e se limita a fazer caridade paliativa, aquela que serve de mera compensação para que os necessitados se mantenham em suas condições humilhantes. 
Agora, os "espíritas" (de Chico Xavier) e os espíritas (de Allan Kardec) encanaram de aderir ao sádico ódio fascista anti-esquerda. Criminalizaram os movimentos sociais, a personalidades de esquerda e glorificaram o excludente Capitalismo, se baseando na tolice da meritocracia e descartando de uma vez por todas a acridade mencionada por Allan Kardec, um socialista, em suas obras.
Só o direitismo assumido pelo "Espiritismo" brasileiro jé envolve um festival de contradições que poderão implodir a doutrina no Brasil, que já é muito fraca em outros países. Ela entra em violento choque com a finalidade original da doutrina, que é a caridade, além …

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…