Pular para o conteúdo principal

O Jesus do "Espiritismo" brasileiro também é fajuto, falso

O Espiritolicismo, forma deturpada do Espiritismo, praticado no Brasil, é composto de inúmeros enxertos estranhos copiados de outras crenças. Apesar de se auto-rotular como "científico" e "racional", esta forma deturpada repete a mesma fé cega que tradicionalmente se vê nas outras crenças, incluindo a defesa de absurdos sem sentido que impedem a compreensão real do mundo.

E incluído neste festival de enxertos está a visão distorcida de Jesus. Apesar de algumas diferenças em relação a visão que outras crenças têm sobre Jesus, os espiritólicos, ao seu modo também não conseguiram entendê-lo, preferindo construir outro Jesus a sua maneira, mas ainda longe da fatídica personalidade estudada pelos historiadores que vivem a busca de provas de sua existência.

Embora pensem em sonhar encontrar o Jesus Histórico, os espiritólicos ainda preferem manter algumas características do Jesus Mito, consagrado pela opinião pública. Um Jesus que salva, que tem superpoderes e que possui privilégios que nenhum outro espírito tem.

Espiritólicos avançam, mas quase nada

Claro que os espiritólicos avançaram um pouco em relação ao Jesus Mito. Muitos já não admitem a virgindade de Maria (embora ainda atribuam a ela a participação na militância cristã, algo que não é verdadeiro - Maria discordava da militância do filho), o fato dele ser filho único, além de negarem o absurdo dele ter sido o próprio Deus encarnado. Mas ainda aceitam o Jesus como "salvador", acrescentam mais superpoderes a ele do que os citados em outras crenças, além de darem títulos pomposos e personificarem as ideias que ele defendia como se fossem ele mesmo (tipo "aceitar Jesus" ao invés de "aceitar as ideias de Jesus").

O Jesus dos espiritólicos ainda está longe de ser o Jesus real. O fato de muitas personalidades espiritólicas como Bezerra de Menezes e Chico Xavier e muitos outros, terem sido católicos praticantes ajudou muito na construção da imagem que os deturpadores tem sobre Jesus. 

Espiritismo não é cristão

Para completar, há uma incessante discussão para saber se o Espiritismo é cristão ou não. Prefiro dizer que não, pois o nome "cristão" está muito estigmatizado para aqueles que ao invés de seguirem as orientações de Jesus, preferem adorá-lo como um inerte ídolo.

Além disso, segundo alguns historiadores, a palavra "Cristo" parece ter sido embutida a Jesus, sendo um sobrenome falso. Ainda não há uma tese definitiva sobre isso, mas há fortes indícios de que Jesus não era "o Cristo", como gostam de chamar até hoje.

O que me faz entender que o Espiritismo não é cristão, não há mais do que se discutir sobre isso e continuar com esse questionamento é perda de tempo, desvio de foco e uma demostração de desinteresse por assuntos mais sérios. Afinal, se realmente seguíssemos o exemplo e as orientações de Jesus, o mundo seria muitíssimo melhor do que este que está aí hoje.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Divaldo Franco não apoia só a Operação Lava Jato. Apoia um Tribunal de Exceção!

As esquerdas se comportam como aquele loser que, só porque a moça mais desejada da escola se dirigiu a ele para dar bom dia, ele acha que ela está apaixonada por ele. Em certos aspectos, chega a sentir fascínio por aqueles que, em verdade, abominam o esquerdismo e só o usam para atender seus interesses por conveniência.
O "funk" e o "espiritismo" são esses exemplos. Os dois são fenômenos blindados pelas Organizações Globo e voltados a perspectivas conservadoras de abordagem social. Apostam na visão paternalista de assistência ao povo pobre, glamourizam a miséria de forma a permitir que as classes pobres vivam razoavelmente sem no entanto romper com sua situação inferiorizada na hierarquia social. Apesar disso, as esquerdas se comportam, em relação a esses dois fenômenos, como aquele loser apaixonado por aquela "mina" que nunca dá bola a ele.
Dessa maneira, os "espíritas" agem também como aquele marido traído - uma espécie de loser que "deu …

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…