Pular para o conteúdo principal

Em uma "profecia", Chico Xavier quis impor uma Teocracia

Do contrário do que quis Allan Kardec, o que os brasileiros conhecem como "Espiritismo" não passa de uma seita igualzinho as outras, com fé cega, dogmas absurdos, seres fantásticos e muita, mas muita idiotice. Tudo porque seus seguidores resolveram abrir mão de algo muito valioso: a lógica. A lógica espírita infelizmente parece ter sido enterrada no mesmo túmulo que Allan Kardec.

E graças a falta de lógica, muitos absurdos são permitidos e difundidos e vários deles aplaudidos e estimulados. Uma dessas bobagens foi transformar um mero sonho de um médium caipira em profecia. Aviso: só cai nessa farsa de "Data Limite" (nome dado a tal "profecia") quem for portador da mais cega das fés. 

E entre vários aspectos presentes no sonho desse caipira, cujo nome, Chico Xavier, virou sinônimo de divindade máxima e de "pai da humanidade" para muitos de seus admiradores, está o de uma verdadeira Teocracia.

Não sabe o que é Teocracia? Vamos lá! Trocando em miúdos, é um governo que se assume divinal, se orientando através de dogmas, que são tratados como leis. A Teocracia é algo extremamente nocivo, pois fé é algo muito pessoal, individual e não pode ser imposta coletivamente. 

Falamos em outro blogue que a religiosidade é sadia se ficar imitada a imaginação de cada pessoa. Apicada à realidade de uma coletividade ela se torna feroz, preconceituosa e altamente prejudicial, pois se baseando em ideias que só existem na cabeça da cada um, pode gerar graves conflitos com base em discordâncias e interpretações erradas.

Criar um governo teocrático é legitimar a fé de um líder (ditadura) como legisladora máxima do que os habitantes devem fazer ou não. Minorias e doentes que precisarão de transplantes, por exemplo, serão, na melhor das hipóteses, privadas de seus mais básicos direitos. Fiéis seguidores de crenças diferentes do líder teocrata também poderão se dar mal.

E prestando muita atenção ao documentário "Data Limite" sobre o tal, percebe-se a tal intenção de criar uma teocracia terrena. O documentário, que serviu para divulgar o tal sonho transformado em "profecia", foi financiado pela FEB com intenções claras de consagrar o médium como profeta (e fortalecer a versão deturpada da doutrina, praticamente esculachada - com justiça! - nas redes sociais), aumentando o seu prestígio para atrair mais pessoas (e mais dinheiro - que NÃO é para a caridade) para esse Espiritismo pirata praticado no Brasil.

Segundo a "profecia", o Brasil governará o mundo porque possui a "compreensão cristã" necessária para "guiar" a humanidade. Enquanto isso, nações onde o ateísmo é forte ou cultuam crenças na cristãs serão sumariamente eliminadas. Ou seja: é cristão, se deu bem; não é cristão: se ferre!

Se utilizar a religiosidade para definir uma nação como líder mundial, com absoluta certeza é eleger uma teocracia. Os "espíritas" brasileiros são teocráticos. Sonham com um governo ditado pelos "espíritos superiores" que não passam dos inferiores que vivem intrometendo em nosso cotidiano. Espíritos sérios avisaram que não existem espíritos superiores habitando a Terra, sendo os desencarnados da mesma natureza moral e intelectual dos encarnados.

Uma teocracia "espírita" seria tão ruim quanto qualquer teocracia, pois não será o governo da lógica e do bom senso e sim o da mesma fé cega de qualquer seita que se propusesse a tomar as rédeas da humanidade. Será a perspectiva pessoal de um homem sendo imposta a todos os habitantes de uma localidade. Não há nada menos democrático que uma teocracia.

E Chico Xavier, suposto "homem-amor" (que tolice!) dessa seita de papalvos, sonhando com uma teocracia cristã a mandar na humanidade. Beato fanático, devoto da fictícia Nossa Senhora da Abadia (pra quê tantas Nossas Senhoras? Politeísmo?), católico que fingiu ser "espírita" para atrair pessoas a essa seita maluca que distorceu toda a doutrina, desejava a Teocracia usando o Brasil católico para governar o mundo com sua "sabedoria cristã". 

Se há tantos padres e freiras intrusos no "Espiritismo" brasileiro, não me surpreenderá se um dia aparecer um aiatolá "espírita" a mandar seus fiéis - que já rugem de ódio só de imaginar o fato de Chico Xavier não ser perfeito - a defender o "Espiritismo" chiquista da maneira que eles bem entendem. E vocês sabem qual é.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

Anti-esquerdismo "espírita" vai contra proposta da caridade

O "Espiritismo" brasileiro é cheio de contradições, graças a sua recusa em raciocinar e analisar tudo que chega aos seu redor. Abraçou a fé cega e a bondade estereotipada e se limita a fazer caridade paliativa, aquela que serve de mera compensação para que os necessitados se mantenham em suas condições humilhantes. 
Agora, os "espíritas" (de Chico Xavier) e os espíritas (de Allan Kardec) encanaram de aderir ao sádico ódio fascista anti-esquerda. Criminalizaram os movimentos sociais, a personalidades de esquerda e glorificaram o excludente Capitalismo, se baseando na tolice da meritocracia e descartando de uma vez por todas a acridade mencionada por Allan Kardec, um socialista, em suas obras.
Só o direitismo assumido pelo "Espiritismo" brasileiro jé envolve um festival de contradições que poderão implodir a doutrina no Brasil, que já é muito fraca em outros países. Ela entra em violento choque com a finalidade original da doutrina, que é a caridade, além …

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…