Pular para o conteúdo principal

Espiritismo brasileiro dá azar

Pode parecer estranho o que vou dizer aqui,mas o que os brasileiros conhecem como "Doutrina Espírita" traz um azar para os seguidores. Como hoje é o folclórico Dia do Azar, pelo fato do dia 13 ter caído numa sexta-feira, decidi falar sobre essa triste verdade que tive a infelicidade de comprovar pessoalmente.

O "Espiritismo" brasileiro vive cheio de energias negativas. Isso se deve por causa da má compreensão da doutrina, que a faz se comportar na prática como uma tábua Ouija em forma de seita. Estão brincando com a espiritualidade e isso pode ser extremamente perigoso.

A prática feita de maneira errada, irresponsável, sem  estudo adequado acaba por atrair, pela lei da atração, espíritos ma intencionados que acabam por estragar não apenas a doutrina em si, mas a vida de seus seguidores, já que estes espíritos utilizam essa oportunidade para satisfazer interesses pessoais, que em muitos casos divergem totalmente do senso de caridade e da lógica intelectual.

Para piorar as coisas, há no Espiritismo praticado no Brasil uma avalanche de fraudes de todos os tipos, com objetivo de criar situações que pudessem autenticar os dogmas inventados pelo mau entendimento, já que para os líderes que falam em nome desse Espiritismo malfeito não é interessante voltar atrás, e corrigir os erros praticados pois isso acabaria com a divinização desses líderes. No Espiritismo brasileiro transformado e seita, as suas lideranças são transformadas em seres divinos e infalíveis. Admitir erros soa muito mal, sendo preferível levar erros adiante.

Essa incessante prática de fraudes tem atraído muitos espíritos afins, que ajudam no sucesso dessas fraudes, se aproveitando da fé cega (fé raciocinada aonde, meus amigos?) de ingênuos seguidores que confiam sem verificar em seus líderes divinizados.

Isso tudo é coerente com a presença de espíritos mal intencionados que atuam sobretudo durante os tratamentos espirituais,gerando uma grave onda de azar que traz muitos problemas, vários deles insolúveis, para a vida particular dos seguidores.

Estes problemas surgem para forçar uma dependência entre os seguidores e esses espíritos que se aproveitam do vinculo para transformar os fiéis "arrebatados" em instrumentos de realização de seus interesses materialistas. Dependência que cresce feito bola de neve pois os fiéis, sem saber da influência nefasta que sofrem, recorrem justamente para esses espíritos para que resolvam os mesmos problemas que estes causaram. E com isso, mais problemas aparecem e os que haviam cresce ao invés de desaparecer.Em alguns casos até problemas acabam, mas outros surgem para tomar o lugar.

E o que pode ser feito para evitar ou acabar com os problemas gerados por este Espiritismo estranho praticado n Brasil? Descartar totalmente as deturpações inseridas na versão brasileira da doutrina, ignorar seus líderes e acima de tudo, estudar as obras de Allan Kardec com dedicação, com atenção e analise profunda, confrontando dados e evitando ao máximo a é cega.

Conhecendo os pontos da doutrina original é a melhor forma de fugir da onda de azar que naturalmente faz parte de doutrinas mal compreendidas e praticadas com irresponsabilidade, como o "tal" Espiritismo praticado no Brasil.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

Anti-esquerdismo "espírita" vai contra proposta da caridade

O "Espiritismo" brasileiro é cheio de contradições, graças a sua recusa em raciocinar e analisar tudo que chega aos seu redor. Abraçou a fé cega e a bondade estereotipada e se limita a fazer caridade paliativa, aquela que serve de mera compensação para que os necessitados se mantenham em suas condições humilhantes. 
Agora, os "espíritas" (de Chico Xavier) e os espíritas (de Allan Kardec) encanaram de aderir ao sádico ódio fascista anti-esquerda. Criminalizaram os movimentos sociais, a personalidades de esquerda e glorificaram o excludente Capitalismo, se baseando na tolice da meritocracia e descartando de uma vez por todas a acridade mencionada por Allan Kardec, um socialista, em suas obras.
Só o direitismo assumido pelo "Espiritismo" brasileiro jé envolve um festival de contradições que poderão implodir a doutrina no Brasil, que já é muito fraca em outros países. Ela entra em violento choque com a finalidade original da doutrina, que é a caridade, além …

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…