Pular para o conteúdo principal

A Manada "espírita"

O Espiritismo praticado no Brasil é uma seita como outras quaisquer. Com dogmas absurdos, fé cega, rituais, divindades e outras bobagens que se tem direito. E entre essas bobagens, claro, há os fiéis,

Os seguidores do Espiritismo brasileiro são de um tipo de fiel religioso bem peculiar. São tão tolos quanto os de outras crenças, mas acreditam ser mais inteligentes. A maioria é diplomada (mercado de trabalho, of course!). Muitos são ricos. Todos parecem viver bem, embora tenham problemas - como a gente havia falado antes, Espiritismo traz problemas. Problemas que a ingenuidade deles não os deixa incomodar.

Mas são cegamente confiantes nos seus líderes. Falam em fé raciocinada, mas na prática é a mesma fé cega praticada nas outras crenças. A fé nos líderes, sejam encarnados ou desencarnados, faz com que tenham fé nos dogmas, muitos deles sem pé nem cabeça.

Os seguidores desse Espiritismo meio doido são pessoas que tem a racionalidade imitada, mesmo que pensem ser racionais. Obviamente se a capacidade de raciocínio dos seguidores de Chico Xavier & CIA fosse plena, eles não estariam seguindo Chico Xavier & CIA por saberem que este falso profeta e sua patota são forasteiros de outras crenças que nunca conseguiram entender a Doutrina Espírita.

Uma das coisas que provam que a capacidade intelectual dos "espíritas" brasileiros é muito limitada é que eles não se importam com contradições. Entram em contradição o tempo todo. Aceitam ideias que negam a doutrina e até mesmo ideias que contradizem a si mesmas. 

Aceitam conceitos sem provas. Acuados, forjam provas falsas para que seus dogmas absurdos não sejam contestados. Espalham erros feito epidemia, ao invés de corrigi-las antes de divulgá-las. 

Acreditam em ideias tomando apenas o prestígio de seu emissor como prova de veracidade.

Constroem o mundo espiritual a imagem e semelhança do mundo material. São patriotas em relação ao Brasil (uma unidade geopolítica material - !?!), acreditando na manjada teoria do povo escolhido, já vistos em cada crença. Interessante que quase todas as religiões acreditam em "povo escolhido", cada uma escolhendo o seu "povo escolhido". O dos "espíritas" é o brasileiro. Essa manada de tolos que vive emperrando tudo.

E claro, o Espiritismo brasileiro não daria surgir em outro lugar. Somente num país de tolos poderia surgir a seita de papalvos. Somente tolos para acreditar que um ingênuo católico Chico Xavier, que nunca estudou Espiritismo, fosse considerado o maior líder da doutrina que ele nunca entendeu. Chico Xavier, líder do Espiritismo? Qualé? Isso eu conheço com o nome de irresponsabilidade. Somente tolos irão se revoltar com a minha contatação.

Basta ver a tola tese da "Data Limite", onde um sonho pueril cheio de absurdos foi transformado em profecia, mais para tentar consagrar tolo médium morto - sim, MORTO! - em 2002 durante um mero joguinho de futebol (façam me rir!) promovido como o guia maior da humanidade.

Este festival de tolices que misturam teses absurdas, fraudes e falsos profetas, caracterizam essa seita maluca de seguidores ainda mais malucos, que agem como um verdadeiro gado a obedecer cegamente o mais ignorante dos vaqueiros acreditando saber este o destino certo para o seu estimado gado: direto para o abate!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tudo para os ricos, nada para os pobres!

A guinada direitista do "Espiritismo" brasileiro, supostamente "orientada" pela "espiritualidade superior" (na verdade espíritos de velhos e odiosos macartistas disfarçados de "sábios") tirou definitivamente a sua mascara de "doutrina avançada". 
Incapaz de melhorar o país em mais de 130 anos, se limitando a caridade paliativa que não elimina problemas, mas cria meios de suportá-lo, o "Espiritismo" brasileiro agora abraça um governo golpista e ideias retrógradas que pretendem reservar o bem estar a uns poucos que compartilham de ideais retrógrados e meios suspeitos de vencer na vida.
O "Espiritismo" brasileiro, totalmente distante e em muitos pontos contrário ao Espiritismo original fundado por Allan Kardec, sempre foi uma seita de elite com um número grande de seguidores de alto poder aquisitivo e graduados em faculdades. O que não significa que sejam mais inteligentes, pois o "Espiritismo" brasileiro ag…

Anti-esquerdismo "espírita" vai contra proposta da caridade

O "Espiritismo" brasileiro é cheio de contradições, graças a sua recusa em raciocinar e analisar tudo que chega aos seu redor. Abraçou a fé cega e a bondade estereotipada e se limita a fazer caridade paliativa, aquela que serve de mera compensação para que os necessitados se mantenham em suas condições humilhantes. 
Agora, os "espíritas" (de Chico Xavier) e os espíritas (de Allan Kardec) encanaram de aderir ao sádico ódio fascista anti-esquerda. Criminalizaram os movimentos sociais, a personalidades de esquerda e glorificaram o excludente Capitalismo, se baseando na tolice da meritocracia e descartando de uma vez por todas a acridade mencionada por Allan Kardec, um socialista, em suas obras.
Só o direitismo assumido pelo "Espiritismo" brasileiro jé envolve um festival de contradições que poderão implodir a doutrina no Brasil, que já é muito fraca em outros países. Ela entra em violento choque com a finalidade original da doutrina, que é a caridade, além …

O juízo de valor que derrubou Divaldo Franco e Chico Xavier

"Não julgueis para não serdes julgados", dizia o ensinamento de Jesus. Pegando carona, o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier criou um arremedo da mesma ideia: "Não julgueis quem quer que fosse". Mas desobedeceu o que ele mesmo disse.

Em 1966, o pior julgamento de valor que se pode dar contra multidões humildes foi dado por Chico Xavier. No livro Cartas e Crônicas, Xavier acusou de terem sido "romanos sanguinários" os pobres cidadãos que, de várias partes do Grande Rio, foram assistir alegremente um espetáculo circense em Niterói, em dezembro de 1961, e foram vítimas de um incêndio criminoso.
O agravante da infundada acusação - feita sem provas documentais, de maneira generalizada, sem estudo da Ciência Espírita e preocupada com suposta encarnação longínqua e superada - é que Chico Xavier, para se livrar de culpa, botou a responsabilidade no pretenso autor espiritual, Humberto de Campos, muito mal disfarçado pelo codinome Irmão X.
Só neste episód…